Beto Richa (PSDB), ex-governador do Paraná, é preso em Curitiba em ações de Lava-Jato e MP-PR


Mulher do tucano e seu ex-chefe de gabinete no estado também foram detidos



O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso nesta terça-feira, em Curitiba, em novas ações da Operação Lava-Jato e do Ministério Público do estado. A mulher do tucano, Fernanda Richa, e seu ex-chefe de gabinete no estado Deonilson Roldo, também foram detidos. A defesa de Beto Richa informou que ainda não teve acesso à investigação.

Candidato ao Senado pelo PSDB no Paraná, Richa foi alvo de duas operações nesta terça-feira. Ele foi detido por ordem da Justiça estadual, a pedido de promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP-PR, que apuram irregularidades em um programa de manutenção de estradas rurais no interior do estado.


Já a segunda operação contra ele é parte da 53ª fase da Lava-Jato, que investiga o suposto pagamento de propina da Odebrecht em obras viárias do Paraná. Policiais federais cumpriram mandado de busca e apreensão no apartamento do ex-governador.

Na Lava-Jato, a PF cumpriu 36 ordens judiciais em Salvador (Bahia), São Paulo (SP), Lupianópolis (PR), Colombo (PR) e Curitiba (PR). A nova fase foi batizada de "Operação Piloto" - referência ao codinome de Richa na lista de propinas do Grupo Odebrecht. São três mandados de prisão e 33 de busca e apreensão, 28 só na capital paranaense.

O objetivo da investigação é apurar um suposto pagamento de R$ 3,5 milhões em propina, em 2014, ao empresário Jorge Theiodocio Atherino. O dinheiro teria saído do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. A contrapartida seria um possível direcionamento do processo de licitação para duplicação, manutenção e operação da rodovia estadual PR-323.

O ex-diretor do Departamento de Estradas e Rodagem do Paraná, Nelson Leal Júnior, disse em delação premiada, que Jorge e Richa são próximos e teriam investimentos imobiliários em conjunto. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o esquema de corrupção foi combinado com Richa e com seu ex-chefe de gabinete, Deonilson.

Segundo a PF, as condutas investigadas podem configurar os delitos de corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro. Os presos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba.

Em nota, os advogados de Beto Richa informaram que "até agora não sabe qual a razão das ordens judiciais proferidas. A defesa do ainda não teve acesso à investigação."

Há cinco dias, o juiz Sergio Moro autorizou o Ministério Público Federal e a Polícia Federal a prosseguirem as investigações para identificar possíveis envolvidos em esquema de corrupção no governo do Paraná. A decisão foi tomada após o recebimento da denúncia contra o ex-chefe de gabinete do governo do estado.

Na denúncia, os procuradores acusam Deonilson, ex-chefe de gabinete de Richa, e o empresário Jorge de terem recebido R$ 3,5 milhões em propina na licitação para concessão e obras da rodovia PR 323, vencida pelo consórcio Consórico Rota das Fronteiras, liderado pela Odebrecht.

O esquema de corrupção foi descrito pelo delator Leal Júnio:

"De um lado José Richa Filho (irmão de Beto Richa) queria favorecer o Grupo Bertin, enquanto Deonilson Roldo queria favorecer o Grupo Odebercht", afirma Moro no despacho em que determinou a continuidade das investigações em novo inquérito, separado da denúncia já apresentada contra Roldo e Atherino.

Moro afirma que o delator aponta Beto Richa como sócio oculto de Atherino e sugere que arrecações ilícitas feitas durante a gestão de Richa teriam servido para investimentos em empreendimentos imobiliários.

Leal Júnior disse que, a pedido de Beto Richa, Deonilson teria inclusive conseguido a entrada no consórcio liderado pela Odebrecht das empresas Tucmann, Gel Engenharia e America. O filho do dono da America, segundo ele, era assessor de Richa. Em troca do favorecimento, essas empresas teriam se comprometido a destinar um percentual do faturamento ao longo de 30 anos para o grupo político.

Há cinco dias, a defesa do ex-governador Beto Richa informou em nota que as as alegações do Ministério Público Federal não apresentam qualquer sustentação e que não houve recursos públicos, federais ou estaduais, aportados na licitação. Disse ainda que Beto Richa " sempre pautou suas ações baseado nos princípios legais".


 Fonte: O Globo 




Comentários

Leia também...

Aposentado e motorista de ônibus escolar foram presos suspeitos de estuprar menina de 12 anos em Aguaí, SP

Conchal - Matrículas para o EJA (Educação Jovens e Adultos) abertas a partir dessa segunda-feira 21/01 a 04/02

Câmara de Conchal realiza primeira sessão do ano em regime extraordinário

'Superlua de Sangue' ficará visível neste domingo

PREFEITURA INICIA LIMPEZA DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA COMEÇANDO PELAS CAIXAS DO CENTRO DA CIDADE.

Conchal - CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL (UNINTER)

Em Tietê (SP) ruas foram pintadas de azul com o objetivo de amenizar o calor e diminuir gastos com a energia elétrica

Prefeito de Conchal acaba de anunciar que todos os postos de saúde passarão a fazer agendamentos diários

Doria proíbe consumo de bebida alcoólica em postos de gasolina

Desde o início do ano mais de 700 pessoas deram entrada no hospital Madre Vannini com virose saiba como se prevenir

Todas as Publicações

Mostrar mais