Prática veterinária que causa sofrimento desnecessário a pet gera dano moral




A prática de procedimentos veterinários que causam sofrimento desnecessário a animal de estimação pode caracterizar ofensa aos atributos da personalidade do dono e gerar dano moral. Esse foi o entendimento da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal ao manter decisão do 1º Juizado Especial Cível e Criminal do Gama que condenou um médico veterinário por ter causado sofrimento desnecessário a um cachorro.

O autor ajuizou a ação de indenização contra o médico alegando prática de procedimentos incompatíveis com o exercício da medicina veterinária em decorrência de cirurgia malsucedida de amputação dos membros traseiros, que resulto na morte do cão. Além disso, o veterinário demorou a comunicar o dono do animal e omitiu a causa da morte e os procedimentos adotados na tentativa de reabilitação do pet.

O réu não apresentou contestação nem compareceu à audiência de instrução e julgamento designada. Foi decretada a revelia e o juiz sentenciou em desfavor ao réu. Inconformado,  o veterinário interpôs recurso, que foi negado.

O relator do caso explicou que a revelia não induz presunção absoluta de veracidade dos fatos narrados pelo autor, e que o julgador deve formar o seu convencimento por meio da análise das alegações formuladas pelas partes em confronto com as provas constantes dos autos. Mesmo assim, o magistrado não viu qualquer elemento de prova que afastasse as alegações do autor quanto à responsabilidade do réu pelo evento danoso.

Seguido por unanimidade pelos membros da turma, a decisão do relator afirma que a prática de procedimentos veterinários que causam sofrimento desnecessário a animal de estimação pode caracterizar ofensa aos atributos da personalidade do dono e ensejar dano moral. O valor da indenização foi fixado em R$ 10 mil.

“Ficou demonstrado que o requerido não cumpriu corretamente com os ensinamentos da medicina-veterinária, pois o animal, ainda vivo, permaneceu por alguns dias com exposição óssea e necrose do tecido, fato demonstrado pelas fotos constante dos autos”, destacou na sentença. “O requerido negligenciou ao deixar de ministrar medicação pós-operatória e no dever de destinar manutenção aos curativos, circunstâncias que propiciaram a necrose. O mesmo pode ser dito em relação à cauterização com o uso de fogo, procedimento em desuso na medicina-veterinária.”

O relator ainda reafirmou a existência de relação de afeto entre o cão e o dono e destacou a relevância do papel dos animais de estimação na vida das pessoas. Ele concluiu que os procedimentos veterinários equivocados e a consequente morte do cachorro causaram inequívoca ofensa aos atributos da personalidade do autor e  manteve o valor do dano moral arbitrado na sentença, em razão do cruel tratamento a que foi submetido o animal, e destacou que a conduta é incompatível com o atual nível de civilização da sociedade.

Por fim, considerando os fatos relatados nos autos que demonstram a possibilidade de ocorrência do crime de maus tratos a animais, e o disposto no art. 40 do CPP, a decisão determinou a remessa dos autos ao Ministério Público do Distrito Federal e ao Conselho Regional de Medicina Veterinária do DF para que verificasse a ocorrência do crime previsto no artigo 32 da Lei 9.605/1998. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-DF.



Comentários

Leia também...

Policia Civil prende seis indivíduos suspeitos de serem os responsáveis pela onda de crimes acontecidos em Conchal nos últimos meses

Policia Militar e GCM de Conchal apertam o cerco contra o crime e realizam operações em Conchal

Menina de 11 anos é estuprada por detento ao visitar pai dentro de presídio no Ceará

Relógios se alteraram automaticamente durante a madrugada e confundiram os usuários na manhã deste domingo (21)

"Censura" - PSOL partido aliado do PT pede para TSE suspender funcionamento do WhatsApp em todo país

Sancionada lei que dispensa reconhecimento de firma e autenticação de documento em órgãos públicos

Prefeitura de Conchal segue com recapeamento na Avenida João Paulo II

“Quem tem o apoio de milhões de brasileiros não precisa pagar”, disse estrategista digital de Bolsonaro

Jovens conchalenses recebem certificados de conclusão do curso da Oficina do Jornalismo F5 (2018)

ETEC abre inscrições para Vagas Remanescentes do 2º Módulo dos cursos técnicos de Administração e Recursos Humanos em Conchal

Todas as Publicações

Mostrar mais