Livro infantojuvenil fala sobre pedofilia e orienta crianças sobre o assunto

Por Ingrid Pereira

Capa do livro/divulgação 

Rosaide Gomes dos Anjos, jornalista de Canoas, no Rio Grande do Sul, diz que ouvir e escrever história é algo que ela sempre gostou de fazer desde a sua época de escola, e que as suas redações sempre se destacaram. Mas a inspiração para o livro ‘Chapeuzinho e o Lobo conectados à Rede’ surgiu de maneira delicada.


Quando a jornalista tinha 10 anos fazia catequese, e a mãe sempre a orientou a ir embora depois da aula já que havia rumores de que o padre da igreja assediava as crianças.

Em 1991, Rosaide se formou em jornalismo e trabalhando na área era comum ela se deparar com noticias sobre pedofilia.

Somente em 2013 que a escritora começou a escrever rascunhos do que viria a ser a obra. A qual partiu do conhecido conto da Chapeuzinho Vermelho, nas com uma narrativa diferente que teve como um meio de auxilio do desenrolar do conto a internet.

 A história

O livro conta a história de Luísa Chapeu, uma menina comum de 10 anos, filha de Ivone Manna Chapeu. A trama tem seu início com a vontade de Luísa de conhecer o pai. Com a internet ao alcance de suas mãos, a menina tem a ideia de pesquisar o nome do pai e acaba conhecendo o Lobo, um pedófilo.

A autora explica a comparação do lobo como pedófilo;

 “Sempre vi o Lobo da história dos irmãos Grimm como uma mensagem subliminar em relação à pedofilia”, conta Rosaide.

Em relação ao ambiente virtual, a autora diz que hoje em dia é comum as crianças terem acesso fácil à internet. Além disso, ela fala que é fácil persuadir crianças através das redes, e faz uma comparação entre a floresta e a internet: “ambos são ambientes perigosos”.

A autora se preocupou em transformar a obra em um meio de orientação sobre o assunto.

“Sabemos como é o dia a dia dos pais. Sempre estão ocupados e, na maioria das vezes, quase não têm tempo para orientar as crianças”, disse Rosaide.
 A autora também disse que o livro tem o intuito de ajudar a criança a ficar atenta a essas situações. “É para que as crianças entendam a mensagem com sutileza e leveza já que o assunto pede uma abordagem responsável”.

A autora também lembra que esse é um assunto que precisa ser tratado com as crianças. “As pessoas pensam que esses casos acontecem longe delas, em outras casas, quando na verdade podem estar acontecendo dentro de casa”.


Segundo o balanço de 2017 da Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos, 57% dos casos de violência contra crianças e adolescentes denunciados acontecem dentro da casa da vítima.

Quando se trata especificamente da violência sexual contra crianças e adolescentes, um boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde, com dados do período de 2011 a 2017, aponta que 69,2% das vítimas sofrem o abuso em suas próprias casas.

Você encontra o livro à venda no site da editora Buriti. De acordo com a autora, crianças a partir de 10 anos já conseguem assimilar o assunto.





Comentários

Leia também...

Em Mogi Guaçu (SP) aluno foi detido após denúncia de que faria um ataque em escola

Menino de 4 anos corta os pulsos e pais acreditam que pode ser influência da Momo

Caixa deteriorada no Bairro Esperança 3 rompe e desperdiça aproximadamente 150 mil litros d’água. Veja vídeo

Conchal será uma das cidades contempladas com Esquadrilha da Fumaça

Governador João Doria entrega obras de duplicação da Rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332), em Conchal.

Criança de Birigui (SP) tenta se enforcar após ver boneca "Momo" em vídeo infantil

Redução de salário dos vereadores é proposta em Araras, SP

Excursão de escola pública é barrada em shopping de SP e educadora diz que houve discriminação

Policia Militar realiza reunião de segurança pública em Tujuguaba

Causas como ‘’ legalização de estupro, pedofilia e morte de mulheres são defendidas’’ por mentor do ataque na Escola Estadual Professor Raul Brasil em Suzano (SP)

Todas as Publicações

Mostrar mais