Anvisa recolhe 200 lotes de losartana e outros remédios para pressão alta; confira lista


Medicamentos para hipertensão estão sob suspeita de contaminação por 'impurezas' com potencial de causar câncer; saiba o que fazer se você usa os remédios



A Anvisa orienta que o tratamento de hipertensão não seja interrompido até que se faça a troca por outro medicamento Foto: Robson Fernandes/ Estadão


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou o recolhimento de cerca de 200 lotes de medicamentos para o tratamento de hipertensão arterial (pressão alta). A lista de medicamentos e lotes recolhidos pode ser vista aqui.

Segundo a agência, os medicamentos recolhidos são os remédios que possuem os princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana e irbesartana

A medida foi adotada após a Anvisa detectar impurezas, chamadas de nitrosaminas, no princípio ativo “sartana”, que é um dos ingredientes utilizados na fabricação de medicamentos para o tratamento de pressão alta.

Segundo a Anvisa, o recolhimento atinge lotes específicos de medicamentos, estratégia adotada em diversos países para os mesmos produtos.

No Brasil, além do recolhimento de lotes de medicamentos, as ações da agência incluem a suspensão da fabricação, importação, distribuição, comercialização e uso dos insumos farmacêuticos ativos com suspeita de contaminação. No total, foram efetuadas 14 suspensões de três insumos (losartana, valsartana e irbesartana) de dez fabricantes internacionais.

Também foi determinada a fiscalização de todas as empresas fabricantes de medicamentos contendo “sartanas” disponíveis no mercado brasileiro. Até o momento, foram avaliadas 29 empresas e 111 medicamentos comercializados em 2018.

Saiba o que fazer se você usa os remédios para hipertensão
A agência orienta que o tratamento de hipertensão não seja interrompido até que se faça a troca por outro medicamento. Isso porque a interrupção pode causar prejuízos imediatos, como risco de morte por derrame, ataques cardíacos e insuficiência renal.

A Anvisa informa que existem diversas alternativas medicamentosas para terapias de pressão alta e, por isso, não há risco de desabastecimento ou falta de medicamentos. A troca da medicação deve ser feita mediante orientação de um médico ou de um farmacêutico.

Risco de câncer associado ao consumo de nitrosaminas
De açodo com a Anvisa, autoridades europeias calcularam que o risco de câncer associado ao consumo contínuo de nitrosaminas é de 0,00017%, ou um caso para cada grupo de 6.000 pessoas. Portanto, o risco é muito baixo e está associado ao consumo diário e contínuo, em altas doses e durante cinco anos seguidos.
A Anvisa esclarece que o consumo desses medicamentos não oferece risco imediato para as pessoas que fazem uso deles. e que eles são eficazes para o tratamento de pressão alta, mas recomenda que sejam trocados por outro de igual valor terapêutico.






Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Polícia indicia pai e mãe de adolescente que pediu socorro pelas redes sociais após ser estuprada

Polícia Civil de Conchal apreendeu na tarde desta terça-feira (16), traficante com 45 papelotes de cocaína, 25 pedras de crack e 31 reais em espécie

Polícia Civil investiga mais dois padres por suspeita de abuso sexual da diocese de Limeira, SP

Liberação de saque de contas do FGTS será anunciada na próxima semana, diz ministro da Casa Civil

Vereadores de Conchal aprovam relatório para a abertura de processo de cassação do vereador Rodinei Ferreira da Silva.

Líder de grupo terrorista revela plano para matar Bolsonaro

ANP libera venda direta ao consumidor de botijão de gás de 13 kg

Governo de São Paulo muda identidade visual de viaturas da PM

Funcionários da concessionária Arteris/Intervias entram em greve por tempo indeterminado

Governo pretende liberar R$ 42 bilhões das contas ativas do Fundo de Garantia

Todas as Publicações

Mostrar mais