Empresário se mata na frente do governador de Sergipe e do ministro de Minas e Energia

Sadi Gitz, dono de fábrica de cerâmica em recuperação judicial, se matou com tiro na cabeça depois de fala do governador em evento em Aracaju nesta quinta-feira.



Um empresário do setor de cerâmica se matou com tiro na cabeça na frente do governador de Sergipe, Belivaldo Chagas, e do Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, durante abertura de um seminário sobre o mercado de gás que aconteceria em Aracaju a partir desta quinta-feira, 4.

Segundo relatos de pessoas que presenciaram o suicídio, o empresário Sadi Gitz se levantou após a fala do governador, ameaçou dizer algumas palavras e se matou. Fontes do governo estadual contaram que o empresário era dono de uma fábrica de revestimentos cerâmicos que estava com as atividades suspensas por causa do alto preço do gás. Com isso, ele teria falido.

A Cerâmica Escurial vinha enfrentando dificuldades há algum tempo e atualmente está em recuperação judicial. A empresa passou a consumir gás com pagamento antecipado e há cerca de dois meses paralisou as atividades por falta de condições de caixa.

Belivaldo Chagas lamentou a morte do empresário e disse: “Vida que segue”. Ante de se matar, Gitz chamou o governador de “mentiroso”. Belivaldo responsabilizou a Petrobrás pelos preços do gás praticados pela Sergas.

O governo do Estado de Sergipe lamentou o ocorrido nas redes sociais e informou que o evento estava cancelado: “O Governo do Estado de Sergipe lamenta o ocorrido com o empresário Sadi Gitz, da cerâmica Escurial, que cometeu suicídio durante o evento. Por conta do ocorrido, o Simpósio de Oportunidades para o novo cenário do gás natural em Sergipe está cancelado”.

Crítica ao governo do Estado

Em maio deste ano, o empresário Sadi Gitz, 70 anos, decidiu pela suspensão das atividades da fábrica de revestimento cerâmicos Escurial e, em nota distribuída à imprensa, culpou o o governo do Estado pela medida. “O motivo determinante para essa decisão foi o preço do gás cobrado pela Sergas, empresa do governo do Estado de Sergipe”, afirmou. Com a hibernação, foram perdidos 200 empregos diretos e 400 indiretos.

Sadi Gitz havia contestado judicialmente a Sergas pelo preço que considerou abusivo, inclusive com um “pedido de perdas e danos”. O empresário afirmou, em maio, que “a perda  de arrecadação de tributos, redução de ambiente de negócios, são fatos que se sobrepõem a qualquer discurso teórico-político. Nenhuma empresa ou empresário tem satisfação em hibernar, mudar ou relocar uma unidade, mas as condições operacionais só existem se houver uma política real de fomento à atividade produtiva”.
 
O empresário era natural de Porto Alegre e chegou ao Estado de Sergipe na década de 1980. Em 1993, fundou a Cerâmica Escurial, no Distrito Industrial de Nossa Senhora do Socorro, região metropolitana de Aracaju. Em 2014, a Escurial viveu o melhor momento financeiro e fez um investimento de R$ 70 milhões.

Gitz chegou a ocupar cargos na prefeitura de Aracaju: foi superintendente municipal de Transportes e Trânsito e da Empresa Municipal de Urbanismo (Emurb). Também foi presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sergipe (Ascese).




Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Aos 18 anos de idade jovem de Conchal que passou em primeiro lugar no curso de física da Universidade Federal de São Carlos (campus Araras) escreve sobre a trajetória e começa a ministrar cursos online de redação

Família procura jovem desaparecido desde sábado (07)

Acidente envolvendo dois carros acontece nesta manhã (10) na rotatória da Avenida Francisco Magnusson

Corpos são encontrados enterrados em canavial de Limeira, SP

Cidade italiana oferece dinheiro para atrair novos moradores

Catador de lixo ganha mochila em SC e chefe encontra feto congelado dentro

Idosa que vendia lanches para sobreviver fica desolada após ter produtos apreendidos: 'Disseram que é a lei'

Servidora pública é detida por furtar alimentos da merenda escolar em Araraquara (SP)

Conchalense encontra envelope com dinheiro, cheques e documentos e devolve ao dono

Agredida com mais de 70 facadas faz alerta a mulheres em relações abusivas: ‘não existe ex-agressor’

Todas as Publicações

Mostrar mais