Novidade!

Mãe acusada de matar filho por homofobia é condenada a 25 anos de prisão




Conteúdo: 'UOL

O Tribunal do Júri de Ribeirão Preto condenou a 25 anos e oito meses de reclusão Tatiana Ferreira Lozano Pereira, 34, acusada de matar, com uma facada no pescoço, e depois colocar fogo no corpo do filho, Itaberli Lozano, 17. A motivação do crime, apontada pela promotoria, seria a orientação sexual do adolescente, que era homossexual. A defesa da condenada afirmou que irá recorrer à sentença.

 O caso ocorreu em 29 dezembro de 2016, em Cravinhos, cidade vizinha a Ribeirão, mas o corpo de Itaberli só foi encontrado em 7 de janeiro. Os jurados também condenaram Victor Roberto da Silva, 21, e Miller da Silva Barissa, 20, acusados de participarem do plano para matar o jovem, a 21 anos e oito meses de reclusão. As defesas de Victor e Miller informaram que também irão recorrer das sentenças proferidas.


O padrasto de Itaberli, Alex Canteli Pereira, que seria julgado por ter participado do incêndio do corpo e depois na ocultação do cadáver, foi dispensado do júri porque o advogado renunciou a defesa dele, alegando conflito de interesses. Ele será julgado em novo agendamento, em data vindoura.

Segundo o promotor Elizeu Berardo, responsável pela acusação, a sentença reconhece a autoria do crime. "As provas apontam a autoria do crime e também o motivo que levou a ele. Não resta dúvida que o crime foi bárbaro e a punição retratou isso", comenta.

Julgamento foi levado para Ribeirão Preto

O júri foi presidido pela juíza Marta Rodrigues Maffeis Moreira, da 1ª Vara do Júri de Ribeirão. Apesar de o crime ter sido cometido em Cravinhos, houve um pedido para que a Justiça daquela cidade não fosse a responsável pelo julgamento do caso devido à intensa repercussão na cidade.

O julgamento começou ontem, quando 20 testemunhas foram ouvidas, além dos quatro acusados. Nesta quarta, houve as considerações dos advogados e do Ministério Público.

No transcorrer do debate entre Promotoria e defesas, o advogado Hamilton Paulino Pereira Júnior abandonou a defesa do padrasto de Itaberli. Ele desistiu alegando conflito de interesses porque já defendia Tatiana Pereira.

A Juíza, então, suspendeu o julgamento de Alex Canteli e determinou que uma nova data seja marcada e que o tratorista constitua um novo advogado. Se não o fizer em tempo hábil, a Justiça deverá nomear um novo defensor.

O caso

Itaberli foi morto no dia 29 de dezembro, mas seu corpo só foi encontrado, carbonizado, em 7 de janeiro em um canavial da cidade. O crime chocou a cidade de Cravinhos. A história ganhou repercussão nacional depois que Dario Rosa, tio da vítima, levantou a hipótese de que o homicídio tivesse relação com o fato de Itaberli ser gay, já que a mãe não aceitava a orientação sexual do filho.

Tatiana, que em um primeiro momento assumiu autoria do crime, posteriormente disse que Miller e Victor eram os responsáveis pela morte do adolescente. A investigação, comandada pelo delegado Helton Renz, chegou a uma conclusão diferente do que a segunda versão apresentada por Tatiana. O relatório afirmou que Tatiana e Itaberli haviam tido uma briga na segunda quinzena de dezembro e o jovem foi morar com a avó paterna. "Era uma relação muito conturbada, repleta de brigas e ofensas", declarou, durante o inquérito, delegado.

Segundo a versão policial, a mãe ligou para Itaberli no dia 29 de dezembro e simulou ter feito as pazes e combinou com Miler e Victor para que eles fossem buscar Itaberli na casa da avó e o levassem até a casa da mãe. Quando entraram na garagem, emboscaram o jovem e começam a espancá-lo.

De acordo com a investigação, a mãe, que estava na casa, decidiu então matar Itaberli. Ela golpeou o próprio filho com uma faca na altura do pescoço. Depois da morte, ela ligou para o marido, padrasto do jovem, e pediu ajuda para se livrar do corpo, que foi queimado e jogado em um canavial para ocultar o crime.




Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Atropelamento paralisa tráfego na SP 191 em Conchal

Captura de procurado no Jardim Esperança ll em Conchal

Veja alguns perfis falsos que circulam em Conchal - Saiba como descobrir um perfil fake no Facebook.

Prefeitura interdita praças no centro da cidade para evitar aglomerações

Polícia civil prende indivíduo por porte ilegal de arma em Conchal

Fora de risco de transmissão Prefeito Vando Magnusson testa positivo para Covid-19 – outros seis servidores públicos também positivaram no teste

Umaflex fez sexta-feira (10) doação de mais 100 cestas básicas para a assistência social de Conchal

Polícia Rodoviária encontra “fábrica” para adulterar cerveja

Homem é encontrado morto em estrada rural de Artur Nogueira

Todas as Publicações

Mostrar mais