Novidade!

Dono da clínica de hipnose que prometia 'cura gay' presta depoimento na Polícia Civil do DF



O dono da clínica de hipnose, do Distrito Federal, que prometia tratamento para o "homossexualismo" (sic)– a palavra não é mais utilizada por especialistas devido ao sufixo -ismo, que remete a doença, prestou depoimento à Polícia Civil na noite desta segunda-feira (9). Gabriel Henrique de Azevedo Veloso cobrava R$ 29,9 mil pelo serviço, com "garantia vitalícia".

A prática da terapia de reversão sexual, conhecida como "cura gay", é vetada pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP) e, em 2019, foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF).



O caso é investigado pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin). Segundo a delegada Ângela Maria dos Santos, Henrique de Azevedo "negou que tenha tido a intenção de discriminar qualquer grupo de pessoas".

Ao G1, Henrique contou, no domingo (8), que atua na área desde 2007 e afirmou que o caso "foi um mal-entendido". Ele disse que "a palavra homossexualismo [sic] tem uma conotação negativa e já foi retirada do site". A reportagem tenta contato com ele nesta terça-feira.



"Tem gente que procura esse tipo de tratamento, não é algo forçado a ninguém. Não tem cura gay, não tem fobia nenhuma e nenhum preconceito, muito pelo contrário. O cliente homossexual que quiser ser tratado pode ser tratado sem mudança de orientação sexual, foi uma infelicidade por conta do termo."

A investigação é para verificar se o hipnoterapeuta tem registro profissional e se houve dolo na conduta do investigado. "Com as provas, a polícia verificará se houve ou não o dolo, necessário para o enquadramento do tipo penal, como exercício ilegal da profissão e crime de homotransfobia", afirma Ângela Maria dos Santos.



Outras ações

Também na segunda-feira (9), a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF acionou o Ministério Público do DF. O presidente da comissão, o deputado distrital Fábio Félix (Psol), pediu que o órgão analise os fatos e tome providências.

"Chegou até nós que a clínica estaria tentando tratar pessoas e se referindo à homossexualidade como doença, inclusive usado o sufixo 'ismo' como referência", disse o parlamentar. Desde 1990, a homossexualidade deixou de ser considerada doença pela Organização Mundial da Saúde.



Ao G1, o MPDF informou que o Núcleo de Direitos Humanos (NDH) da instituição vai instaurar uma "notícia de fato" [registro do caso] e aguardará as investigações da Decrin "para então tomar as providências necessárias".

'Cura gay'
A clínica Hipnoticus oferece, em Brasília, a "garantia vitalícia" para "tratamento do homossexualismo". O centro de hipnose será investigado pelo Conselho Regional de Psicologia (CRP).



Na internet, Henrique de Azevedo garante ainda tratamento contra depressão e doenças autoimunes "antes mesmo da primeira sessão". O procedimento, segundo ele, é o "equivalente a 70 anos de terapia".

*Com informações de G1.









Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Polícia Civil apreende drogas e armas em Conchal

Polícia Militar e Guarda Civil Municipal realizam operação integrada de combate ao crime em Conchal, SP

Quadrilha tenta assaltar bancos e troca tiros com a polícia em madrugada de terror em Araraquara, SP

Mulher de 36 anos é morta a tiros pelo filho adolescente em SP

Colisão traseira termina em capotamento de veículo e uma vítima leve na Rodovia Anhanguera

ROCAM e Força Tática estouram ponto de preparo e venda de drogas e detém quatro por tráfico em Araras, SP

Acidente entre ônibus e caminhão em Taguaí teve o maior número de mortes nas rodovias de SP neste ano, diz PM

GCM resgata menor desaparecida em casa de prostituição no interior de SP

Prefeitura de Conchal pede para a população economizar água

Após denúncias, pug furtada em Conchal é resgatada em Araras

Todas as Publicações

Mostrar mais