Polícia Civil poderá responsabilizar criminalmente pessoas que estão divulgando fotos de mulher de 27 anos morta em Conchal, SP
Fotos da cena do crime ainda com o corpo viralizaram em grupos de WhatsApp e Facebook, muitas pessoas estão compartilhando e poderão ser responsabilizadas criminalmente.


Elas deverão ser acusadas de vilipêndio de cadáver.
Atualmente, a velocidade na transmissão de notícias é impressionante e por centenas de vias. Só que infelizmente, nem sempre pautadas pelo bom senso. Neste sábado (19), logo após o triste acontecimento da morte de uma mulher de 27 anos em Conchal (SP).



Fotos da cena do crime ainda com o corpo viralizaram em grupos de WhatsApp e Facebook, muitas pessoas estão compartilhando e poderão ser responsabilizadas criminalmente.
O caso foi registrado na Central de Polícia Judiciária de Araras (SP), e está sendo investigado pelo equipe do SIG sob o comando do Dr. Tabajara Zuliani dos Santos.

Além de desrespeitar o momento de luto de ambas as famílias, essa exposição totalmente desautorizada também pode render complicações para as pessoas que passaram esse conteúdo a diante.

Caso Cristiano Araújo
Posteriormente ao acidente que tirou a vida do cantor sertanejo Cristiano Araújo e de sua namorada, Allana, um vídeo e diversas imagens do corpo do cantor foram compartilhadas por dispositivos móveis e pelas redes sociais.

Logo após, a propagação das imagens, a imprensa nacional começou a reportar que as pessoas que tiraram as fotografias corriam o risco de ser acusadas de vilipêndio de cadáver.

A partir desse acontecimento, a dúvida permaneceu: a divulgação de imagens e de vídeos de pessoas falecidas pode ser considerada vilipêndio?

Basicamente, o vilipêndio de cadáver é um crime de desrespeito aos mortos, especificado no artigo 212 do Código Penal Brasileiro, que ainda estende a penalização para cadáver e suas cinzas. A pena prevista é de detenção de um a três anos, além de multa.

É um crime comum, podendo ser efetuado por qualquer pessoa, até mesmo familiares do morto. Mesmo que o morto seja a “vítima” do vilipêndio, o sujeito passivo da ação é a coletividade, especialmente, a família e amigos íntimos que mantinham relação com a pessoa falecida.



Bom senso na vida real e na vida virtual
No caso de vilipêndio de cadáver a ação é pública incondicionada. Sendo assim, pode ser feita uma investigação pelas autoridades e até o ajuizamento da denúncia sem depender do interesse das pessoas envolvidas.

Por isso, é essencial antes de compartilhar qualquer conteúdo em suas redes sociais ou registrar algo sempre agir pautado pelo bom senso. Afinal, ninguém gostaria que algo nessas circunstâncias acontecesse com a sua própria família, não é?

Comentários

Leia também...

Pobreza no Brasil cresceu quase 4% – número de atingidos passou de 52,8 milhões em 2016 para 54,8 milhões em 2017. Já pobreza extrema aumentou 13%, passando a atingir 15,3 milhões.

Corpo é encontrado às margens do Rio Mogi Guaçu nas imediações do Bairro Arurá

Câmara aprova permissão para municípios estourarem limite de gastos com pessoal

Policia Civil prende seis indivíduos suspeitos de serem os responsáveis pela onda de crimes acontecidos em Conchal nos últimos meses

Colisão entre carreta da Umaflex e um ônibus escolar deixam vitimas em Santa Bárbara (Bahia) nesta manhã de Domingo (25)

Família procura desesperadamente por jovem desaparecido desde Domingo (12/11)

Prefeitura de Conchal Emite Nota de Esclarecimento referente às obras do Lago Municipal.

Bandidos explodem Agencia Santander em Conchal nessa madrugada

Duas Chapas São Formadas para Disputa da Presidência da Câmara de Conchal

Todas as Publicações

Mostrar mais