Pesquisa revela que 536 mulheres foram agredidas por hora em 2018


Por Ingrid Pereira 

Foto: Divulgação 



Estudo realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que 536 mulheres foram vítimas de agressão física a cada hora em 2018 no Brasil. A pesquisa "Visível e Invisível - A vitimização de Mulheres no Brasil, divulgada nesta terça-feira (26), revela também que a maioria das vítimas (52%) de violência doméstica não buscou apoio de famílias, amigos ou autoridades após sofrer a violencia.

A pesquisadora do Fórum, Cristina Neme, declara que apesar dos avanços na legislação, os índices de violência contra a mulher permanecem altos. "Apesar dos retrocessos atuais na discussão pública sobre gênero, o país avançou na legislação, há uma história de avanços. No entanto, o padrão da vitimização ainda é alto", fala a especialista.

As agressões acontecem de diversas maneiras. Segundo o estudo, 12,5 milhões de mulheres sofreram ofensas verbais, como insulto, humilhação ou xingamento, 4,6 milhões (nove por minuto) foram tocadas ou agredidas fisicamente por motivos sexuais. E 1,6 milhão (três por minuto) sofreram tentativas de espancamentos ou estrangulamento.
Na grande maioria dos casos, o perigo está dentro de casa. A observação de especialistas sobre mulheres vítimas de violência doméstica é assegurada pelos números. A pesquisa mostra que 76,4% das mulheres que sofreram violência afirmam que o agressor era alguém conhecido.

As vítimas ainda enfrentam dificuldades para denunciar os casos

Só 10,3% procuraram uma delegacia especializada, 8% buscaram uma delegacia comum, 15% procuraram ajuda da família e 52% não fizeram nada. Os números mostram também que 42% das agressões ocorrem em casa, 29% nas ruas, 8% na internet, 8% no trabalho e 3% no bar ou em baladas.
A dificuldade em notificar é, segundo Cristina, um problema que persiste ao longo dos anos. "É preciso implementar a legislação e ampliar o atendimento e mecanismos de proteção às vítimas: desde o encaminhamento às assistências de saúde, garantia de abrigos até a garantia das medidas protetivas na Justiça."

A pesquisa também mapeia o entendimento da população sobre a violência contra a mulher: 59% da população afirmam ter visto uma mulher sendo agredida física ou verbalmente no último ano, 37% presenciaram homens praticando humilhações, ofensas ou xingamentos contra ex-companheiras, 28% assistiu mulheres que residem na vizinhança sendo agredidas e 20% observaram meninas da vizinhança sendo agredidas.

Cristina explica que em anos anteriores a violência contra a mulher era tratada em uma esfera privada. “As pessoas não se intrometiam”, diz. “Hoje é uma questão pública, mas ainda assim as pessoas se omitem. É preciso ganhar espaço no enfrentamento do problema.”
Fonte: R7



Comentários

Leia também...

Em Mogi Guaçu (SP) aluno foi detido após denúncia de que faria um ataque em escola

Menino de 4 anos corta os pulsos e pais acreditam que pode ser influência da Momo

Caixa deteriorada no Bairro Esperança 3 rompe e desperdiça aproximadamente 150 mil litros d’água. Veja vídeo

Conchal será uma das cidades contempladas com Esquadrilha da Fumaça

Governador João Doria entrega obras de duplicação da Rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332), em Conchal.

Criança de Birigui (SP) tenta se enforcar após ver boneca "Momo" em vídeo infantil

Redução de salário dos vereadores é proposta em Araras, SP

Excursão de escola pública é barrada em shopping de SP e educadora diz que houve discriminação

Policia Militar realiza reunião de segurança pública em Tujuguaba

Causas como ‘’ legalização de estupro, pedofilia e morte de mulheres são defendidas’’ por mentor do ataque na Escola Estadual Professor Raul Brasil em Suzano (SP)

Todas as Publicações

Mostrar mais