Justiça bloqueia bens de Alckmin em ação sobre repasses da Odebrecht




Nesta segunda-feira (15), a Justiça de São Paulo ordenou, o bloqueio de bens do ex-governador do estado e presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin.

O Juiz Alberto Alonso Muñoz, da 13ª Vara da Fazenda de São Paulo, com essa decisão, atendeu a um pedido do Ministério Público de São Paulo. Cabe recurso contra a decisão.

O processo é a respeito da ação que investiga se Alckmin cometeu improbidade administrativa em razão de repasse da Odebrecht para a campanha de 2014, quando ele foi reeleito governador de São Paulo.

Também tiveram bens bloqueados: Marcos Antônio Monteiro, Luiz Bueno Júnior, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Fernando Migliaccio da Silva e Hilberto Mascarenhas Alves da Silva, servidores e executivos da empreiteira. No total, foram bloqueados 39,7 milhões de reais dos investigados.

Além disso, o juiz Muñoz determinou o bloqueio de todas as contas-correntes e aplicações financeiras em nome dos investigados e a indisponibilidade de todos os veículos licenciados em nome dos réus.

De acordo com o Ministério Público, a Odebrecht teria “escolhido, entre 2013 e 2014, candidatos a governador e deputados estaduais que correspondessem a suas pretensões de ser beneficiada em licitações, contratos de obras públicas e parcerias público-privadas, através de contribuições clandestinas às respectivas campanhas políticas.”

À Justiça, Alckmin manifestou-se contra o bloqueio de bens, alegando ausência de “fortes indícios” de responsabilidade na prática de ato de improbidade administrativa. A defesa do tucano também alega que as delações premiadas representavam para o MP o único indício da suposta prática de ato de improbidade pelos réus.
*Com informações: Veja



Comentários

Leia também...

Vaga de Emprego em Conchal

Ponto Alto Empreendimentos inicia obra asfáltica na Avenida Manoel Gonçalves Neto

Pelo menos 207 pessoas morreram e cerca de 450 ficaram feridas neste domingo de Páscoa no Sri Lanka

Polícia Militar prende traficantes com quase 4 kg de cocaína em Araras, SP

COMUNICADO DE AUDIÊNCIA PÚBLICA PARA REVISÃO DA LEI DE PARCELAMENTO DO SOLO E URBANIZAÇÕES ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CONCHAL (SP)

Por que peixe não é considerado carne durante a Quaresma?

Tribunal divulga relação de cidades com problemas na gestão fiscal e orçamentária

Comissão da Câmara de Conchal avalia situação de vereador preso com carga roubada de cerveja

Bebê de 15 dias tem queimaduras de 2º grau em banho, em hospital da Paraíba

Todas as Publicações

Mostrar mais