Desfile de crianças que aguardam adoção é alvo de críticas em MT


Evento em shopping de Cuiabá foi realizado com autorização judicial e em parceria com a OAB-MT. Para advogado, ação foi equivocada e se assemelha à venda de escravos.



Desfile foi realizado em shopping de Cuiabá. — Foto: Divulgação


Um desfile de crianças e adolescentes de 4 a 17 anos que aguardam adoção promovido em um shopping de Cuiabá nesta terça-feira (21) foi alvo de críticas nas redes sociais. A Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara), que organizou o evento, defendeu a iniciativa, citando que ela promove a "convivência social" e "mostra a diversidade da construção familiar".

O desfile, que aconteceu pela segunda vez e faz parte das ações ligadas à Semana da Adoção, foi feito em parceria com a Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Mato Grosso (OAB-MT).

A realização foi autorizada pela juíza Gleide Bispo Santos, da 1ª Vara Especializada da Infância e Juventude de Cuiabá.

Ao portal de notícias G1, a presidente da Ampara, Lindacir Rocha, disse que o projeto dá aos jovens a oportunidade de integrar uma convivência social "em um mundo que os trata como se fossem invisíveis".

Segundo ela, será realizada uma exposição fotográfica com as crianças e adolescentes, com o objetivo de mostrar também a diversidade da construção familiar por meio da adoção.

Em nota, a Ampara informou: "A OAB-MT e a Ampara repudiam qualquer tipo de distorção do evento associando-o a períodos sombrios de nossa história e reitera que em nenhum momento houve a exposição de crianças e adolescentes".

O trecho é uma referência a críticas em redes sociais feitas pelo advogado e membro da Academia Mato-grossense de Letras Eduardo Mahon, que comparou o desfile às antigas feiras em que escravos era comercializados (leia mais abaixo).

O comunicado da entidade também diz: "Nenhuma criança ou adolescente foi obrigado a participar do evento e todos eles expressaram aos organizadores alegria com a possibilidade de participarem de um momento como esse".

"Crianças e adolescentes que desfilaram o fizeram na companhia de seus 'padrinhos' ou com seus pais adotivos. A realização do evento ocorreu sob absoluta autorização judicial conferida pelas varas da Infância e Juventude de Cuiabá e Várzea Grande, bem como o apoio do Poder Judiciário", acrescenta o texto.

'Adoção tardia'

Em novembro de 2016, quando a primeira edição do desfile foi realizada, dois adolescentes foram adotados.

Lindacir Rocha cita ainda a questão da adoção tardia, que faz com que sejam urgentes medidas como a Semana da Adoção, que tornam público o que ela considera um problema social.

O Relatório de Dados Estatísticos do Cadastro Nacional de Adoção do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informa que, no Brasil, 8,7 mil crianças e adolescentes aguardam por uma família.

Shopping diz repudiar 'objetificação de crianças e adolescentes'
Em nota, o shopping onde foi realizado o desfile afirma que repudia a objetificação de crianças e adolescentes e esclarece que o único intuito em receber a ação foi contribuir com a promoção e conscientização sobre adoção e os direitos da criança e adolescente com palestras e seminários conduzidos por órgãos competentes que possuem legitimidade no assunto.

O shopping afirma que a ação foi promovida pela Ampara em parceria com Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da OAB-MT e reitera que o evento contou ainda com o apoio do Ministério Público Estadual (MPE), Poder Judiciário de MT, governo estadual, Secretaria Estadual de Assistência Social e Cidadania, Sindicato dos Oficiais de Justiça, Associação Nacional do Grupo de Apoio à Adoção e Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, além do Tribunal de Justiça do Mato Grosso.

O Tribunal de Justiça não se posicionou oficialmente sobre o assunto e afirmou, por meio da assessoria, que ainda não foi definido se haverá ou não uma resposta à imprensa.

Críticas

Membro da Academia Mato-grossense de Letras (AML), o advogado Eduardo Mahon criticou o desfile e classificou o evento como ação equivocada.

"Um desfile de crianças a serem adotadas, me pareceu análogo a uma antiga feira de escravos. Evidentemente que guardadas as proporções, porque não é justo que haja essa comparação, eu reconheço. Mas não me pareceu eticamente o melhor caminho", afirmou em entrevista ao G1.

Ele elogiou, porém, o trabalho realizado pela Ampara: "Acho que eles são profundamente comprometidos com a questão da adoção, bem como todos os parceiros que a instituição envolve".

Para Mahon, a exposição das crianças no shopping é uma experiência negativa para elas.

"Do meu ponto de vista, não é permitido esse tipo de exposição, envolvendo uma questão legal, que eu não quero entrar. Quero falar do trabalho de eficiência que eles estão querendo imprimir. É preciso uma certa delicadeza para projetar o que é que fica aparecendo e projetar também como é que fica a cabeça dessas crianças daqui a 15 anos. Um shopping é um local essencialmente comercial", disse Mahon.



Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Jovem que estava desaparecido desde 07/09 é localizado pela família

Conde Sanduiche, Dippas Burguer e Bar do Edilson foram os três primeiros colocados do 1º Festival Gastronômico Delícias de Boteco (categoria melhor prato), Santo Forte e Pitanga Madura levaram o título dos melhores drinques.

Antes de jogar carro contra caminhão, pai manda filho gravar vídeo: “Adeus, mãe”

Grávida morre após ter AVC minutos antes de subir ao altar em SP

Família procura jovem desaparecido desde sábado (07)

Jovem de 22 anos morre após explosão de churrasqueira no interior de SP

Aos 18 anos de idade jovem de Conchal que passou em primeiro lugar no curso de física da Universidade Federal de São Carlos (campus Araras) escreve sobre a trajetória e começa a ministrar cursos online de redação

Redemoinho de fogo assusta moradores e faz raposa fugir em Jandaia (GO); vídeo

Rede de supermercados é condenada a indenizar mulher após vender pão com barata

Todas as Publicações

Mostrar mais