Jovem antivacina que processou escola após ser banido pega catapora nos EUA


Jerome Kunkel, de 18 anos, se recusou a tomar vacina contra catapora com base em fundamentos religiosos — Foto: CBS/BBC


Um adolescente americano que processou a escola onde estudava por ter sido banido de lá ao se recusar a tomar vacina contra catapora agora contraiu o vírus. 

Jerome Kunkel, de 18 anos, ocupou as manchetes dos jornais em abril pela sua malsucedida ação judicial contra o colégio Our Lady of Sacred Heart/Assumption Academy, na cidade de Walton, no Estado de Kentucky.

O advogado de Kunkel, Christopher Weist, disse à imprensa americana que o adolescente começou sentir os sintomas da catapora na semana passada.

 
Em meio a um surto da doença, a escola que o jovem frequentava decidiu barrar todos os alunos que não aderissem à campanha de imunização.

O jovem havia se negado a tomar a vacina com base em argumentos religiosos. Na ação contra a escola, ele argumentou que a vacinação era "imoral, ilegal e pecaminosa" e que seus direitos estavam sendo violados.

O colégio decidiu impedir a entrada de alunos que não se imunizassem depois que 32 estudantes pegaram catapora. Weist disse à NBC News que seu cliente não se arrepende da decisão de não tomar a vacina, mesmo tendo contraído a doença depois.
 
"Ele tem crenças profundamente religiosas e sinceras", disse Weist. "Ele sempre reconheceu o risco de pegar a doença e estava ok com isso."

O Departamento de Saúde do Norte de Kentucky decidiu banir alunos não imunizados de frequentar aulas e atividades extracurriculares em 14 de março. A escola de Kunkel seguiu essa determinação.

Um juiz de Kentucky concordou com os argumentos do departamento de saúde em abril, ao julgar o processo movido pelo jovem. O magistrado argumentou que o aluno de 18 anos não tinha o direito de frequentar aulas e jogar basquete nas dependências da escola sem ter tomado a vacina.

O pai de Jerome Kunkel, Bill Kunkel, argumenta que vacinas derivam de "fetos abortados", o que contraria as crenças religiosas da família.

Alguns dos primeiros vírus usados para fazer a vacina na década de 1960 foram produzidos a partir de tecidos imaturos de fetos humanos abortados.

Mas nenhuma nova célula humana foi utilizada desde então para produzir vacinas, dizem especialistas em epidemiologia e fármacos.

A Igreja Católica diz a seus membros que é moralmente justificável tomar essas vacinas, embora defenda que tratamentos alternativos sejam desenvolvidos sem usar "linhas celulares de origem ilícita".

A catapora é uma doença altamente contagiosa que causa erupções na pele, coceira e febre, embora não costume ser fatal.

Antes de a vacina ser criada, cerca de 4 milhões de americanos contraíam a doença a cada ano, de acordo com o Hospital da Criança da Filadélfia.

Agora, apenas 12 mil pessoas pegam a doença a cada ano nos Estados Unidos.

Conteúdo: BBC News





Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Policia Militar apreende cocaína em comércio no centro de Conchal

Trio é preso suspeito de roubos de combustíveis em Mogi Guaçu

Safra da laranja 2019/20 do cinturão citrícola de SP e MG é estimada em 388,89 milhões de caixas

Família procura por jovem surdo e mudo desaparecido em Engenheiro Coelho, SP

Homem ataca ex-namorada dentro de Delegacia da Mulher em SP

Papa aceita renúncia do bispo de Limeira

Conchal recebe do UNIFAJ o prêmio de “Prefeito Educador 2019”

Tucano é flagrado por câmera de monitoramento na Rodovia Anhanguera, em Campinas

Aposentado cria armadilha para mosquito da dengue e vira projeto de pesquisa em universidades

Todas as Publicações

Mostrar mais