Novidade!

97% das brasileiras afirmam que já sofreram assédio no transporte público ou privado




Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira (18) pelos Institutos Patrícia Galvão e Locomotiva revelou que quase todas as mulheres brasileiras (97%) dizem já ter sofrido assédio no meio de transporte, seja ele público ou privado. Além das que já foram vítimas, 71% delas afirmam que conhecem alguma mulher que já foi assediada em espaço público.

Entre as 1.081 mulheres ouvidas em todas as regiões do Brasil, 46% não se sentem confiantes para usar meios de transporte sem sofrer assédio sexual. A maior parte delas reclama de olhares insistentes, cantadas indesejadas , comentários de cunho sexual, passadas de mão pelo corpo, gestos obscenos, perseguição e até masturbação.

Os números são ainda mais alarmantes dentro do transporte público, onde apenas 26% delas se sentem seguras. Isso acontece porque as brasileiras acreditam (55%) que é mais fácil denunciar abusadores através da locomoção por aplicativos, no qual 45% acreditam ser mais provável que os homens sejam punidos.

O medo do transporte público faz com que 72% das entrevistadas levem em consideração a distância e o tempo de locomoção entre a casa e o trabalho antes de aceitar uma oferta de emprego o permanecer nele.

O meio prefiro por elas é o transporte via aplicativo, em que três em cada quatro (75%) se sente segura. Para 91% das consultadas, esse tipo de locomoção melhorou sua capacidade transitar pela cidade. Além disso, 94% afirmam que se sentem mais seguras sabendo que, se precisarem, podem chamar um transporte desse tipo para voltar para casa.
Mesmo com a sensação de maior segurança através dos aplicativos privados, no entanto, 18% das mulheres ainda afirmam nenhum dos meios de transporte facilita uma denúncia.

Como resolver? 

Para a diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo, é importante não apenas aplicar leis que criminalizem o assédio sexual no transporte, mas também possuir medidas preventivas. “É preciso desenvolver políticas e mecanismos para prevenção, para garantir que as brasileiras possam se sentir seguras ao exercerem seu direito de ir e vir, garantindo também seu direito a uma vida sem violência. Para as mulheres que em sua maioria estudam e trabalham fora de casa, a segurança no deslocamento é uma questão essencial”, diz.

Conteúdo: Agência Brasil



Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Conchal iniciou nesta quinta-feira (21) a vacinação contra a Covid-19

Vagabundo rouba cadeirante e acaba preso em flagrante pela PM em Conchal, SP

Prefeitura de Conchal se prepara para vacinação contra Covid-19 – O F5 entrevistou o diretor do departamento de saúde do município. Wagner Lozano deu mais detalhes sobre esse e outros assuntos relacionados ao setor

Professor pede ajuda após cadelinha ser jurada de morte

Quem são as pessoas que não podem tomar vacina contra covid

Criança de 10 anos engravida de gêmeos após ser estuprada pelo padrasto, diz polícia

Força Tática captura procurado por tráfico de drogas e realiza flagrante de porte Ilegal de arma de fogo durante patrulhamento em Araras, SP

Restaurante Santo Forte faz homenagem à lanchonetes que fizeram parte da história de Conchal

Governo de SP endurece quarentena, adia volta às aulas e fecha bares, restaurantes e comércio aos finais de semana

Reino Unido diz que variante do coronavírus pode ser mais letal

Todas as Publicações

Mostrar mais