Suspensão dos 19 remédios é 'regular' e recomendada por CGU e TCU, diz Ministério da Saúde

Entre medicamentos afetados estão os utilizados em tratamentos para câncer, diabete, Parkinson e transplantes, entre outros.




Por meio de nota, o Ministério da Saúde confirmou nesta terça-feira a suspensão dos 19 contratos firmados com laboratórios de produção de remédios e uma vacina que eram distribuídos gratuitamente para a população. São medicamentos utilizados em tratamentos para câncer, diabete, Parkinson e transplantes, entre outras enfermidades, e deixarão de ser entregues pelo Sistema Único de Saúde ( SUS ).

Ainda segundo o comunicado, a suspensão se deu por recomendação da Controladoria-Geral da União (CGU) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU) em função de decisões judiciais, desacordo com o cronograma, falta de avanços esperados etc. Trata-se de uma "medida regular", além de "estar prevista no marco regulatório das PDPs (as Parcerias de Desenvolvimento Produtivo,parceria que prevê transferência de tecnologia de um laboratório privado para um público) e realizada com normalidade", acrescentou.

No mesmo comunicado, a pasta informa ainda que "vem realizando compras desses produtos por outros meios previstos na legislação" e que, portanto, a população não será afetada. Além disso, continua a nota, a maior parte dos contratos nem sequer chegou a fase de fornecimento do produto.



Os laboratórios vinculados aos PDPs são públicos e federais. Entre eles estão Biomanguinhos, Butantã, Bahiafarma, Tecpar, Farmanguinhos e Furp. Eles fabricam os remédios como parte de uma parceria com o ministério e fornecem os fármacos a preços 30% menores do que os do mercado.

Parcerias em desacordos são suspensas para "avaliação"
Segundo o Ministério, "toda e qualquer parceria que estiver em desacordo é suspensa para avaliação" e que a suspensão pode ocorrer por fatores como:


- Recomendação por órgãos de controle (CGU e TCU), caso de nove das suspensões atuais;

- Decisão judicial;

- Desacordo com o cronograma;

- Falta de avanços esperados;

- Falta de investimentos na estrutura;

- Solicitação de saída do parceiro privado;

- Não enquadramento de um projeto como PDP; entre outros.

Uma das duas parcerias de produção de insulina (NPH e Regular), por exemplo, foi suspensa em virtude dos atrasos de entregas (o ministério diz estar fazendo compras por pregão). Já o sofosbuvir , usado no tratamento contra hepatite C , está suspenso em função de uma decisão judicial. Usado em tratamentos contra câncer de mama , o trastuzumabe teve uma das parcerias suspensa por uma determinação do TCU.

Abaixo, outros remédios e as justificativas para sua suspensão:

- Cabergolina - desconformidade com cronograma de investimentos e estrutura fabril. O Ministério da Saúde realizou pregão eletrônico para aquisição do produto;

- Pramipexol - desconformidade com cronograma do projeto. O Ministério da Saúde realizou aquisição do produto fora da parceria;

- Sevelâmer - desconformidade com cronograma de investimentos e estrutura fabril. O Ministério da Saúde realizou pregão eletrônico para aquisição do produto;

- Vacina Tetraviral - desacordo com os critérios de PDPs. O Ministério da Saúde realizou aquisição do produto fora da parceria;

- Alfataliglicerase - desacordo com os critérios de PDPs. O Ministério da Saúde realizou aquisição do produto fora da parceria.

 Conteúdo: O GLOBO


Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Corpo de mulher é encontrado fora da cova e seminu: “Apavorante”

Justiça determina bloqueio de 407 mil reais do Presidente da Câmara Municipal de Conchal Roberson Claudino Pedro (Robinho) e de Marcelo Aparecido Mandeli, ex-assessor do presidente

Videos - Após chuvas em Conchal, infestação de pequenos sapos assusta moradores

Suspeito de Roubar Joalheria em Conchal é preso pela Policia Civil

Adolescente de 12 anos é estuprada dentro de escola pública em SP

Corpo de menina torturada por pai tem 37 marcas de tiros de arma de pressão, diz Conselho Tutelar

Suspeito de matar engenheira após perseguição no trânsito é preso em MT

Oferta de emprego que veta 'negras e gordas' vira caso de polícia em Belo Horizonte

Polo do Cartório Eleitoral em Conchal abrirá para cadastramento biométrico no feriado, dia 15 de novembro (sexta-feira)

Bolsonaro extingue o seguro obrigatório de veículos, o DPVAT

Todas as Publicações

Mostrar mais