23,9% das famílias brasileiras vivem com R$ 1.245 mensais em média, aponta IBGE

Valor real do rendimento familiar é ainda menor se descontados rendimentos não monetários e transferências de renda, que juntos correspondem a 57% do rendimento total das famílias de baixa renda.



Em média, as famílias brasileiras têm um rendimento mensal R$ 5.088,70. Parece muito para a realidade brasileira – e é, já que se trata de uma média , ou seja, considera todos os rendimentos recebidos no país dividido pelo total de famílias vivem aqui. Mas ao separar as famílias por faixas de rendimento, nota-se que 23,9% delas vivem com uma média de R$ 1.245,30 por mês.

Os dados constam na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), divulgada nesta sexta-feira (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o levantamento, o rendimento total médio das famílias em 2018 foi de R$ 5.436,70, a ele somada a variação patrimonial.

Para auferir o rendimento familiar, o IBGE considera:

·        rendimentos do trabalho (o salário recebido pela prestação de serviço)

·        transferências de renda (valores recebidos de programas governamentais, como Bolsa Família, pensão, aposentadoria, bolsa de estudo, etc, ou recebidos em transações intrafamiliar, como a chamada mesada)

·        rendimento de aluguel (e outros associados ao patrimônio de bens móveis ou imóveis)

·        outras fontes de renda (distintas do trabalho ou de transferências)

·        rendimentos não monetários (atribuído à produção para o próprio consumo ou a doações recebidas de produtos e serviços)

·        variação patrimonial (saques de poupança, recebimento de herança, venda de imóveis etc.)

Assim, dos R$ 5.426,70, a maior parte é rendimento do trabalho (R$ 3.118,66 na média), que corresponde a 57,5% do rendimento total. As transferências de renda, por sua vez, respondem por 19,5% do total de rendimentos.



Ao analisar regionalmente, a média do rendimento total familiar (somada a variação patrimonial) sofre grandes variações. Nas áreas urbanas, chega a R$ 5.806,24, enquanto nas rurais, R$ 3.050,49. Ou seja, as famílias em situação rural recebem pouco mais da metade (52,3%) dos valores que recebem as famílias em áreas urbanas.

Entre as regiões do país, a que contempla o maior rendimento total médio familiar é a Centro-Oeste, onde o valor chega a R$ 6.772,86. Já o menor foi auferido no Nordeste, onde soma R$ 3.557,98.

Ao analisar o rendimento médio familiar dividindo as famílias por classes de rendimento se evidencia ainda mais a desigualdade do país. As famílias que recebem até dois salários mínimos mensais representam 23,9% do total de famílias brasileiras e respondem por 5,5% da renda média nacional. Já aquelas que ganham até 25 salários mínimos somam 2,7% de todas as famílias e respondem por 20% de toda a renda média nacional.

Para as famílias da classe mais baixa, o rendimento médio total somado à variação patrimonial é de R$ 1.245,30 por mês, enquanto para aquelas da classe mais alta ele chega a R$ 17.425,13 mensais.

Quando se observa a composição do rendimento destas famílias, percebe-se que a desigualdade é ainda maior entre elas. Para as mais pobres, 41% da renda vem do trabalho, 28,8% de transferência e 28,2% é rendimento não monetário. Já para as mais ricas, 60,4% é renda do trabalho, 18,5% de transferências, enquanto o rendimento não monetário é de 10,1%.

“Uma coisa importante que a gente não pode deixar de mencionar é que, embora o rendimento não monetário não signifique o desembolso da família, a gente vê a importância dele na aquisição de produtos e, por isso, o quanto ele é importante no orçamento da família mais pobre”, enfatizou o gerente da pesquisa, André Martins.

Somados, o rendimento advindo de transferências e o não monetário representam 57% de todo o rendimento médio das famílias mais pobres, enquanto para as mais ricas eles representam apenas 28,6% da renda média mensal.

“Se tivéssemos falando só da parte monetária, a gente estaria deixando de falar do modo de viver das pessoas, das condições de vida dela que elas efetivamente têm. Então, quando a gente olha para toda a composição do rendimento delas, conseguimos entender como elas estão vivendo no sentido geral”, pontou o pesquisador.


Descontado o rendimento não monetário das famílias de baixa renda, tem-se que elas vivem com rendimento médio de até R$ 894,37. E se deste valor for descontado aquilo que recebem por transferência de renda, como os advindos de programas sociais, esse valor cai para R$ 535,34.

Considerando que, para o IBGE, a família brasileira é composta, na média, por três pessoas, significa que para os membros de 23,9% das famílias brasileiras o rendimento médio mensal é de apenas R$ 178,44.

“Se retirar isso [rendimento não monetário e rendimento advindo de transferência], você vê que o tamanho do rendimento seria ainda menor. E vale lembrar que, dentro dessa classe de rendimento, você encontra ainda mais desigualdades, já que estamos falando de uma média e dentro desse grupo [dos que têm rendimento mensal de até dois salários mínimos] há famílias que não recebem sequer um salário mínimo por mês”,destacou Martins. 



Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Dois veículos batem em cruzamento no centro de Conchal

Bilhetes anônimos com acusação de adultério tomam conta de cidade no interior de SP

Postagem de mãe viraliza após filha voltar de festa de fim de ano na escola com bolo inteiro: 'Queriam os mais bonitos e decorados'

Trailer de lanches é destruído por caminhão durante a madrugada

Confeiteira doa bolo para criança e mãe reclama: "dê algo que preste"

Motorista de caminhão que explodiu na SP-330 é identificado e será enterrado em Artur Nogueira

PM reage a assalto e mata dois assaltantes em Mogi Mirim

Caixa espera pagar FGTS de R$ 998 antes do Natal

Advogado aparece de calcinha pedindo cigarro em condomínio em Limeira, SP

Papai Noel chegou na Praça da Fonte trazendo alegria e a magia do Natal em Conchal

Todas as Publicações

Mostrar mais