Novidade!

Número de doadores de órgãos cai 6,5% no Brasil no primeiro semestre de 2020



A Covid-19 também impactou a doação de órgãos e transplantes no primeiro semestre de 2020 no Brasil. De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), divulgado nesta quarta-feira (12), a taxa de doadores efetivos caiu 6,5% em comparação com o primeiro semestre do ano passado.

Os números vinham crescendo gradativamente nos últimos anos. Em 2019, atingiu o índice de 18,1 pmp (por milhão de população) e, no primeiro trimestre de 2020, ainda sem a Covid-19, a taxa chegou a 18,4 pmp – próxima da projetada para este ano. Segundo o levantamento, esse número agora é de 15,8 pmp.




A ABTO também fez um comparativo entre os dois trimestres de 2020 e a queda foi ainda maior: 26,1%.

Três regiões tiveram diminuição nas taxas de doadores efetivos: Norte (47,4%), Nordeste (37%) e Centro-Oeste (12,6%). Houve aumento nas regiões Sul (5%) e Sudeste (3,1%).

Transplantes no Brasil

O Brasil realiza vários tipos de transplantes, como coração, fígado, pâncreas, rim, pulmão, córnea e medula óssea. Em junho deste ano, 40.740 pacientes estavam na lista de espera da doação.




A maior espera é para o transplante renal. São mais de 26 mil pessoas aguardando um rim. Em seguida, a córnea, com mais de 12 mil pacientes na fila.

Neste semestre, comparando ao primeiro de 2019, houve diminuição no número de transplantes de fígado (6,9%), rim (18,4%), coração (27,1%), pâncreas (29,1%) e, de forma mais acentuada, córneas (44,3%).

Também houve queda nos transplantes com doador vivo, tanto de rim (58,5%), quanto de fígado (23,6%), para evitar o risco de contaminação pela Covid-19 durante a internação para o procedimento.




Tipos de doadores

Segundo o Ministério da Saúde, existem dois tipos de doador, o primeiro é o doador vivo, que pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, contanto que este procedimento seja seguro. Um doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão.

A maior parte dos transplantes é feita com doadores falecidos, em pacientes que tiveram morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou Acidente Vascular Cerebral (AVC). A morte tem que ser verificada pela equipe médica e comprovada clinicamente a partir de exames laboratoriais.

*Com informações de G1.





Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Bandido armado assalta comércio no Jardim Santo Antônio em Conchal. O crime aconteceu nesta sexta-feira (18). Câmeras de segurança flagraram toda a ação do criminoso. Assista vídeo...

Bandidos mantêm vitima refém por três horas em roubo à residência no Santa Luzia em Conchal

Bandidos tentam roubar agência do Banco do Brasil em Conchal

Guarda Municipal recupera veículo roubado nesta terça-feira (22)

Polícia Civil captura menor de 14 anos por tráfico de drogas no Parque Industrial em Conchal

Idosa flagrada dirigindo cadeira de carrinho elétrico em rodovia só queria dar um abraço na filha em Limeira, SP

Auxílio de R$ 300: nem todos vão receber as quatro parcelas; entenda

Cerca de 15 carros aparecem em pedreira desativada após diminuição do nível de água

Indivíduo que traficava há 2 semanas é preso no Parque Industrial em Conchal

Polícia Civil prende em Conchal menor que tinha "depósito de drogas" em casa

Todas as Publicações

Mostrar mais