Novidade!

Primeiro caso de reinfecção pelo coronavírus é confirmado, anunciam cientistas em Hong Kong; OMS diz que 'é possível'



Cientistas em Hong Kong anunciaram, nesta segunda-feira (24), a confirmação do primeiro caso no mundo de reinfecção pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). A pesquisa com o resultado foi aceita para publicação no "Clinical Infectious Diseases", da editora da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

"Um paciente aparentemente saudável e jovem teve um segundo caso de infecção pela Covid-19 diagnosticado 4 meses e meio depois do primeiro episódio", declararam os cientistas, da Universidade de Hong Kong, em um comunicado.




Os pesquisadores testaram o código genético do vírus e descobriram que o vírus da segunda infecção pertencia a uma linhagem diferente da primeira. Ao ser contaminado pela primeira vez, o paciente, um homem de 33 anos, teve apenas sintomas leves; na segunda, nenhum sintoma.

"Nossos resultados provam que a segunda infecção é causada por um novo vírus, que ele adquiriu recentemente, em vez de uma disseminação viral prolongada", afirmou Kelvin Kai-Wang To, microbiologista clínico da Universidade de Hong Kong.




Segundo os cientistas de Hong Kong, a segunda "versão" do vírus é mais próxima à que circulou na Europa entre julho e agosto (o paciente havia voltado de uma viagem à Espanha). Já o primeiro vírus era semelhante aos que circularam em março e abril.

A pesquisadora Ester Sabino, da Faculdade de Medicina da USP, que fez parte da equipe que sequenciou o genoma do coronavírus no Brasil, confirmou ao G1 que, conforme a árvore filogenética dos vírus, eles são diferentes (uma árvore filogenética detalha as relações entre várias espécies e as mutações que elas sofreram).




Quem são as brasileiras que sequenciaram o genoma do novo coronavírus

"Claramente, a origem da primeira amostra é diferente da segunda. Portanto, é uma reinfecção, e não um vírus que estava cronicamente na pessoa e sofreu mutação no decorrer do tempo", afirma.
Circulação permanente do vírus é 'provável', dizem cientistas

Para Sabino, a principal consequência da descoberta é que, com a reinfecção possível, a transmissão da doença se mantém, porque mesmo pessoas que já tiveram a doença podem se infectar de novo.




"Isso tem consequência, porque você mantém o vírus circulando por muito tempo. Endemia é isso. É um problema", avalia Sabino.
Isso é apontado pelos cientistas no estudo. "A confirmação da reinfecção tem várias implicações importantes", dizem.

"Em primeiro lugar, é improvável que a imunidade de rebanho possa eliminar o Sars-CoV-2, embora seja possível que as infecções subsequentes possam ser mais leves do que a primeira infecção, como neste paciente", acrescentam.
"A Covid-19 provavelmente vai continuar a circular na população humana, como é o caso de outros coronavírus humanos. A reinfecção é comum para outros coronavírus 'sazonais'", dizem os cientistas no estudo.



"Em alguns casos, a reinfecção ocorre apesar de um nível estático de anticorpos específicos", pontuam.

Em maio, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já havia sinalizado a possibilidade de que o coronavírus se tornasse endêmico (ou seja, passasse a ser encontrado regularmente em uma determinada área ou população), como o HIV, sem nunca desaparecer.



Implicações para a vacina

Sabino explica que, para uma futura vacina, as mutações não são o problema, porque, além de serem poucas, no caso do coronavírus, as mudanças (mutações) que ele sofre não mudam a forma com que é reconhecido pelo sistema imune. A questão é se o corpo é capaz de manter esse reconhecimento a longo prazo.

Esse "reconhecimento" a longo prazo importa porque, ao receber uma vacina, o corpo é induzido a produzir anticorpos para uma determinada doença.




"Para a vacina, o problema é esse. A pessoa teve a infecção e perdeu o anticorpo. Será que vai acontecer a mesma coisa com a vacina? Vai durar quanto tempo a vacina? O problema é a proteção, não é a mutação", explica.

Para esclarecer a diferença, Sabino compara o Sars-CoV-2 ao HIV – que é um vírus que tem muitas mutações, e, por isso, é difícil encontrar uma vacina que funcione contra ele. Diferente do coronavírus, o HIV "muda" tanto que o sistema imune passa a não ser mais capaz de reconhecê-lo, e, por isso, tem dificuldade em combatê-lo.




Na pesquisa de Hong Kong, os cientistas dizem que uma vacina para a Covid-19 não deve ser capaz de fornecer proteção para a vida inteira. Além disso, recomendam que mesmo pacientes que já tiveram a doença devem ser imunizados.

"Novos estudos sobre reinfecção, que serão vitais para a pesquisa e desenvolvimento de vacinas mais eficazes, são necessários, afirmam.

Ester Sabino pondera que esse caso pode ser raro.




"O fato em si é importante. Define a possibilidade de reinfecção. O primeiro passo é definir que acontece. O segundo é determinar quão frequente é", lembra.
"Pode ser que esse indivíduo tenha perdido [os anticorpos] rapidinho. Mas, se a maioria perder com um ano, talvez a cada ano você tenha que receber de novo, junto com a influenza, uma dose dessa vacina", diz.

Anticorpos

No caso do paciente de Hong Kong, apesar de ele ter tido a primeira infecção pelo coronavírus, não foram detectados anticorpos assim que ele foi infectado pela segunda vez – os anticorpos só apareceram depois de cinco dias. Isso pode indicar, segundo os cientistas, duas possibilidades:




que ele não desenvolveu os anticorpos depois da primeira infecção;

que ele desenvolveu os anticorpos depois da primeira infecção, mas eles foram "sumindo", e, quando ele foi infectado pela segunda vez, não era mais possível detectá-los.

Para os cientistas, essa falta de respostas nos anticorpos pode ter consequências tanto para tornar possível que as pessoas tenham o coronavírus mais de uma vez quanto na gravidade da doença.

"Apesar de nosso paciente ser assintomático na segunda infecção, é possível que a reinfecção em outros pacientes resulte em uma infecção mais severa", alertam.




Mas eles destacam que é possível que o paciente tenha desenvolvido os anticorpos depois da primeira vez que ficou doente – isso pode apenas não ter sido detectado pelos testes.

Ao mesmo tempo, eles lembram, também, que a resposta imune das células T pode ter um papel em melhorar a severidade da doença na segunda infecção. Outros estudos, com o Sars-CoV-2 e outros coronavírus, mostram que eles podem induzir a imunidade das células T a longo prazo. (Os cientistas de Hong Kong não mediram essa resposta, entretanto, no paciente reinfectado).




OMS diz que reinfecção 'é possível'

A líder técnica da Organização Mundial de Saúde (OMS), Maria van Kerkhove, disse que "é possível" que este seja o primeiro caso confirmado de reinfecção no mundo.

"O que entendemos é que pode ser um caso de reinfecção. É possível", afirmou a líder técnica.

"Acho que é importante colocar isso em contexto. Houve mais de 24 milhões de casos relatados até agora, e precisamos olhar para isso a nível de população. É muito importante que documentemos isso, e, em países que podem fazer isso, que o sequenciamento seja feito. Isso ajudaria muito. Mas não podemos pular para nenhuma conclusão, mesmo que esse seja o primeiro caso documentado de reinfecção", disse.




Van Kerkhove lembrou ainda, que, segundo o que se sabe até agora, todos que são infectados pelo Sars-CoV-2 desenvolvem algum nível de imunidade contra ele – a questão é saber o quão protetora ela é e por quanto tempo dura.

No Brasil, a USP apontou, no início do mês, um possível caso de reinfecção pela doença em uma técnica de enfermagem, em Ribeirão Preto. Ela apresentou, pela segunda vez, os sintomas da doença, e teve um segundo resultado positivo no teste diagnóstico.

*Com informações de G1.




Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Quadrilha tenta assaltar bancos e troca tiros com a polícia em madrugada de terror em Araraquara, SP

Mulher de 36 anos é morta a tiros pelo filho adolescente em SP

Colisão traseira termina em capotamento de veículo e uma vítima leve na Rodovia Anhanguera

Cachorro que fugiu de casa teve a melhor reação quando foi “preso” pela polícia

ROCAM e Força Tática estouram ponto de preparo e venda de drogas e detém quatro por tráfico em Araras, SP

Acidente entre ônibus e caminhão em Taguaí teve o maior número de mortes nas rodovias de SP neste ano, diz PM

ROCAM apreende menor por tráfico de drogas após receber informações de PM de folga em Araras, SP

Força Tática prende traficante de drogas com apoio da ROCAM durante patrulhamento em Araras, SP

Policia Civil recupera moto furtada na casa de menor

Veja quais foram os candidatos eleitos a vereador (a) em Conchal

Todas as Publicações

Mostrar mais