Pular para o conteúdo principal

120 dias Grátis

Com mais um remédio reprovado, tratamento da doença de Alzheimer não avança há 17 anos



Neurologistas, pacientes, familiares e associações do mundo inteiro acompanharam com ansiedade uma reunião realizada no dia 6 de novembro pelo Food and Drug Administration (FDA), a agência responsável por aprovar e regular os medicamentos nos Estados Unidos.

A pauta do encontro era a avaliação do aducanumabe, medicamento criado para tratar o Alzheimer, um dos tipos de demência mais comuns no mundo.



Desenvolvido pelas farmacêuticas Biogen e Eisai, o remédio é um anticorpo monoclonal aplicado uma vez ao mês por meio de infusões na veia. Se aprovado, ele custaria algumas dezenas de milhares de dólares por dose.

O FDA reuniu um painel de especialistas independentes, para que eles pudessem analisar os resultados dos estudos clínicos e ajudassem a agência a definir se a molécula deveria ser aprovada para prescrição pelos neurologistas.



O resultado do encontro, porém, frustrou as expectativas: após uma série de votações, os experts concluíram que ainda não se sentem convencidos sobre a eficácia do tratamento e não acham que existem evidências suficientes para liberar seu uso.

A decisão, porém, ainda não é definitiva: o FDA voltará a debater o tema em março de 2021, quando finalmente baterá o martelo. Mas, pelos resultados da reunião recente, a tendência é que a medicação seja reprovada e precise passar por novos testes antes de receber o sinal verde.



Marasmo total

Uma notícia positiva sobre o aducanumabe era aguardada com grande expectativa — afinal, a última aprovação de um tratamento contra o Alzheimer aconteceu em 2003, há 17 anos, quando um fármaco chamado memantina chegou ao mercado.

De lá para cá, mais de 240 moléculas diferentes foram testadas, mas nenhuma se mostrou segura e eficaz. A taxa de fracasso supera os 99% e é a maior de todas as especialidades médicas — a título de comparação, na área da oncologia, cerca de 80% das terapias falham durante os testes clínicos.



Para completar o cenário, estima-se que 45 milhões de pessoas tenham algum tipo de demência no mundo (2 milhões delas no Brasil). Com o envelhecimento da população em vários países, esse número deve duplicar a cada 20 anos.

Os tratamentos atuais ajudam a controlar alguns sintomas e até atrasam um pouco a progressão da doença, mas eles se tornam ineficazes nos casos mais graves e avançados.



Mas, afinal, por que é tão difícil criar novos tratamentos contra o Alzheimer? Há uma série de obstáculos e entraves nessa história. E o próprio aducanumabe é um exemplo para ilustrar essa busca infrutífera dos últimos anos.

Esperanças e frustrações

Em meados 2015, o aducanumabe apareceu como uma das grandes promessas contra o Alzheimer. Os estudos de fase 1 chamaram tanta atenção que foram destaque de capa da revista Nature em 2016.



A droga, desenvolvida a partir de células de defesa de idosos que não tinham demência, se mostrou capaz de eliminar uma proteína chamada beta-amiloide no cérebro.

Pelo que se sabe até o momento, essa substância está relacionada de alguma maneira ao início da doença. Com o tempo, ela se acumula do lado de fora dos neurônios e dá início ao processo de perda das memórias e da cognição.


O aducanumabe foi apenas um entre mais de uma dezena de anticorpos monoclonais feitos para frear esse tipo de demência. Nos testes iniciais, vários deles se mostravam capazes de retirar o excesso dessa tal de beta-amiloide da massa cinzenta.

Porém, quando os estudos progrediam para as fases finais, essa "faxina" cerebral não repercutia nos sintomas da doença: os pacientes continuavam a ter prejuízos nas recordações e na capacidade de raciocinar.



Os cientistas suspeitaram, então, que o problema não estava no mecanismo das drogas em si, mas no momento em que elas eram aplicadas.

Talvez os voluntários recrutados para os estudos estivessem numa fase muito adiantada da doença, em que os danos aos neurônios já eram irreversíveis.



Hoje em dia, se sabe que o Alzheimer começa a corroer o cérebro até duas ou três décadas antes de os primeiros sintomas darem as caras. "A beta-amiloide se acumula com grande antecedência aos incômodos de memória", conta o neurologista Fábio Porto, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Portanto, um indivíduo que começa a ter falhas nas lembranças aos 80 anos pode estar num longo processo degenerativo, que começou lá quando ele tinha apenas 50 ou 60 anos.




Seguindo essa lógica, será que usar os anticorpos monoclonais antecipadamente, nessa fase assintomática, ou quando os primeiríssimos sintomas aparecerem, poderia fazer alguma diferença?

Reviravolta surpreendente

Foi justamente para responder a essa pergunta que o aducanumabe foi testado em dois ensaios clínicos de fase 3 (os últimos antes da aprovação) a partir de 2016.



Esses estudos ganharam nomes em inglês: ENGAGE e EMERGE. O primeiro teve a participação de 1.647 voluntários, enquanto o segundo recrutou 1.638 pessoas.

Em março de 2019, os responsáveis pelos trabalhos resolveram fazer uma análise preliminar do progresso até aquele momento, para ver como as coisas estavam evoluindo.



Foi um verdadeiro banho de água fria: os resultados não estavam dentro das expectativas e os estudos foram encerrados antes do prazo.

Sete meses depois, veio a notícia que ninguém esperava: Biogen e Eisai anunciaram que haviam reavaliado as duas pesquisas e encontrado em uma delas evidências de que o aducanumabe poderia, sim, funcionar num determinado grupo de pacientes.



As empresas foram além e disseram que, a partir dos dados, pediriam a aprovação do medicamento para uso clínico nos EUA.

As controvérsias

A mudança de rumos pegou a comunidade científica de surpresa. Afinal, não é comum que pesquisas desse tamanho sejam paralisadas ou reanalisadas no meio do caminho.



"Geralmente, todo o desenho do estudo clínico é definido antes do início. Fazer modificações assim é uma coisa muito complexa, que leva a problemas estatísticos", diz o neurocientista Eduardo Zimmer, professor do Departamento de Farmacologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O químico americano Derek Lowe não poupou críticas aos movimentos feitos por Biogen e Eisai. Numa série de textos publicados em seu blog In The Pipeline, no site da revista Science, ele demonstrou desconfiança com os resultados do aducanumabe:



"Eu não acredito que as empresas demonstraram a eficácia [do medicamento]. Eu acho que eles têm capacidade suficiente para fazer um estudo melhor se assim quisessem. Mas eles não querem. Eles desejam ir logo até o FDA para ter a droga aprovada e começarem a imprimir dinheiro".

Os especialistas dizem que, antes de buscar a aprovação nas agências regulatórias, os responsáveis pelo fármaco deveriam fazer um novo estudo de fase 3, que focasse justamente nessas doses mais altas e nesse perfil de pacientes que parece se beneficiar mais do remédio.



O problema é o tempo. "Esses novos testes exigiriam um investimento econômico gigantesco e demorariam mais quatro ou cinco anos para darem os resultados", estima Zimmer, que também é membro da Academia Brasileira de Ciências.

Na reunião que ocorreu no dia 6 de novembro, o painel de especialistas se debruçaram sobre quatro questões principais, que tinham o objetivo de avaliar se as informações disponíveis até o momento sobre o aducanumabe traziam segurança sobre seu uso na prática clínica.



A esmagadora maioria dos participantes deu votos contrários, ou disse que ainda havia muita incerteza sobre o tema.

Curiosamente, dois dias antes do encontro, o próprio FDA havia divulgado um extenso relatório feito por sua equipe de revisores técnicos afirmando que os dados disponibilizados pelas farmacêuticas eram "robustos e excepcionalmente persuasivos".



O outro lado

A BBC Brasil procurou a Biogen para buscar o ponto de vista da farmacêutica. Por meio de sua assessoria de imprensa, a companhia respondeu algumas das perguntas enviadas.

Os responsáveis pelo medicamento defendem que ele tem o potencial de alterar a progressão da doença, desacelerar o declínio cognitivo e beneficiar a capacidade dos pacientes em realizar atividades diárias. "Se aprovado, o aducanumabe seria o primeiro tratamento a alterar significativamente o curso natural do Alzheimer", escrevem.



Questionados se também pretendem pedir a aprovação da terapia no Brasil, o laboratório preferiu não comentar o assunto. "Seremos o mais céleres e diligentes para atender as necessidades sociais e clínicas postas", disseram.

Mais pedras no caminho

A dificuldade em demonstrar o benefício prático de uma nova molécula é apenas a ponta do iceberg desse drama que aflige milhões de pacientes e seus familiares. Pesquisadores da área enfrentam uma série de outras barreiras para entender o Alzheimer e seus desdobramentos.



Para começo de conversa, não existe um modelo animal que permita replicar as características do cérebro humano e da doença de Alzheimer com fidelidade.

Isso dificulta bastante na hora de fazer trabalhos experimentais, ou mesmo entender a ação de novas drogas em cobaias. Esse estágio de pesquisa é essencial antes de que as formulações sejam encaminhadas para testes com seres humanos.



Outra barreira importante está no diagnóstico: atualmente, a detecção do Alzheimer depende de testes muito invasivos ou muito caros.

É o caso, por exemplo, da análise do líquor, uma substância encontrada na medula óssea, ou do PET-CT, um exame de imagem bastante específico. "Esses são métodos ainda pouco acessíveis, por razões técnicas e financeiras", pontua Porto.



Na hora de realizar estudos clínicos, por exemplo, os laboratórios gastam milhões de dólares para garantir que os voluntários façam exames do tipo e conferir se eles realmente têm Alzheimer. Esse investimento maciço é algo que poucos laboratórios conseguem fazer.

Por fim, há muitas dúvidas sobre o mecanismo que está envolvido neste tipo de demência. Ainda existe controvérsia sobre o papel da proteína beta-amiloide na doença e como ela interage com várias substâncias que se alteram no cérebro durante o processo de degeneração, como uma outra proteína conhecida como TAU.



Enquanto esses mistérios permanecerem, é difícil desenvolver tratamentos específicos capazes de atuar em alguma etapa da enfermidade.

Promessas futuras

A reunião definitiva do FDA só acontece em março de 2021. Mas a tendência é que o aducanumabe precise mesmo passar por um novo estudo com milhares de voluntários antes de receber algum tipo de sinalização positiva pelas agências regulatórias.



Mas ele não é o único candidato no páreo: de acordo com o site ClinicalTrials.Gov, mantido pelo governo americano, outros 2.471 testes clínicos com candidatos a remédios contra o Alzheimer estão em andamento neste exato momento.

Um que é acompanhado de perto é o solanezumabe, da Eli Lilly. Ele também atua na proteína beta-amiloide e está sendo avaliado em pacientes com sintomas bem iniciais da enfermidade. Se tudo der certo, seus resultados são esperados para 2023.



Em paralelo, outros grupos de cientistas procuram caminhos criativos para frear a progressão do Alzheimer. Alguns miram na proteína TAU, que aparece nas fases mais avançadas da condição.

Outros vão além e testam terapias à base de luzes ou maneiras de modificar a microbiota intestinal, um conjunto de bactéria que vive no nossa sistema digestivo e parece influenciar até na saúde do cérebro.




Num cenário sem novidades há quase duas décadas, o futuro promete trazer notícias melhores.

*Com informações de R7.









Leia também

Procurado por homicídio é preso pela Policia Militar em Conchal. “O cara matou o meu filho, eu fui e matei ele também e não estou arrependido. Tinha mais pra derrubar, e quando eu sair vou atrás novamente”. Disse o preso na delegacia

Na noite desta quinta-feira (17), equipes de Força Tática (cabo Belucci, soldado Gallo e soldado Viana), e ROCAM (cabo Roberto e soldado Perissato), receberam informações que um homem procurado por dois homicídios no município de Leme (SP), estaria escondido pelo município de Conchal (SP). Imediatamente os policiais militares, sob o comando do sargento Ricardo, iniciaram diligências, quando a equipe de ROCAM acabou visualizando o veículo em que o procurado estava. Feito a abordagem, inicialmente o suspeito apresentou um nome falso, mas depois acabou confessando que era ele mesmo, inclusive levou os policiais até sua residência, onde foi apreendida uma arma cal. 38 de fabricação caseira. Diante dos fatos, José Moreira recebeu voz de prisão em flagrante e foi conduzido ao plantão da Central de Polícia Judiciária, onde em conversa com a reportagem (assista abaixo), ele disse que o primeiro homicídio, ele matou um bandido que o assaltou, e ele teria ganho na Justiça, mas o segundo, cometid

Conselho Tutelar promove ação e retira menores que vendiam trufas no semáforo em Conchal – O C.T informou a existência de denúncias – Acompanhado da mãe, menino diz que só quer ganhar dinheiro sem precisar vender drogas

Crianças exibem com orgulho o que conseguiram conquistar vendendo trufas no semáforo em Conchal   A ação de fiscalização do Conselho Tutelar aconteceu no sábado (19), no semáforo da Rua Camilo Chagas em Conchal. Pelos menos 5 meninos entre 10 e 13 anos, costumam ficar diariamente neste ponto da cidade vendendo trufas. Com a chegada dos conselheiros o trabalho dos meninos foi interrompido, quando um deles utilizando o próprio telefone celular, telefonou para mãe que compareceu ao local. Segundo informado pelos conselheiros à nossa reportagem, existem diariamente diversas denúncias sobre as crianças e adolescentes que estão vendendo trufas no semáforo. Por meio de nota, o Conselho Tutelar de Conchal informou que: “Este tipo de atividade consta na lista das piores formas de trabalho infantil (Lista TIP), pois às deixam expostas à violência, drogas, assédio sexual e tráfico de pessoas; exposição à radiação solar, chuva e frio; acidentes de trânsito, atropelamento etc. Além de acarr

Policia Civil prende traficante com drogas e 31 mil reais em dinheiro nesta quarta-feira (23) no Esperança 3 em Conchal

Na manhã desta quarta-feira (23), sob o comando do delegado de polícia Dr. Luis Henrique Lima Pereira, os policiais da delegacia de Polícia Civil do município de Conchal, lograram êxito ao cumprirem um mandado de busca e apreensão, na residência de um investigado por tráfico de drogas. Logo cedo os policias fizeram o cerco à residência localizada na rua dos Archangelos, no bairro Esperança 3. Após ganharem acesso ao imóvel, os policiais encontraram o investigado de 42 anos, bastante conhecido nos meios policiais, pelo envolvimento com o tráfico de drogas, acompanhado de uma jovem de 19 anos, que havia pernoitado na casa. Em revista ao imóvel, os policiais localizaram dois eppendorfs contendo cocaína, devidamente prontas para a venda, e outras duas sacolas plásticas contendo esta mesma droga, ainda não fragmentada para o comércio ilícito. Além dos entorpecentes, foram localizados mais de 31 mil reais em dinheiro, folhas de cheque, balança de precisão, aparelhos celulares e semijoias. O

Prefeitura de Conchal decreta novos horários de funcionamento dos comércios e estabelece medidas de combate à pandemia no âmbito municipal de 19/06/2021 a 30/06/2021 – Acesse e leia decreto na integra.

DECRETO Nº 4.450, DE 17 DE JUNHO DE 2021. “DISPÕE SOBRE ADOÇÃO DE NOVAS PROVIDÊNCIAS AO COMBATE DA COVID-19, NOS TERMOS DO PLANO SÃO PAULO, CONFORME ESPECÍFICA.” LUIZ VANDERLEI MAGNUSSON, Prefeito do Município de Conchal, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais; e, Considerando que o Exmo. Governador do Estado de São Paulo - Sr. João Dória, através do Decreto nº 65.792, de 11 de junho de 2021, prorrogou a medida de quarentena em todo o Estado no período de 14 a 30 de junho de 2021; Considerando ainda os termos do ANEXO I do referido Decreto Estadual que apresenta recomendação para que os municípios com índice de ocupação de leitos de UTI superior a 90%, ampliem o grau de restrição de desempenho de atividades com a finalidade de prevenir o esgotamento da capacidade de atendimento à população; e, Considerando finalmente que o Município de Conchal, bem como as demais regiões do Estado estão classificadas na fase vermelha do Plano São Paulo;  

Bandidos armados roubam trator, agridem, sequestram e abandonam vítima em área rural de Conchal

Imagem Ilustrativa O crime aconteceu nesta sexta-feira (18), por volta das 16:40hs. A vítima, um homem de 51 anos de idade, transitava com o trator pela Estrada da Capelinha, quando foi abordado por três indivíduos que anunciaram o assalto. Pelo menos um dos criminosos portava uma arma, que segundo a vítima, parecia ser um calibre 12. Os criminosos agrediram e sequestraram a vítima, o colocando dentro de um carro que circulou por pelo menos meia hora na área rural de Conchal. Os bandidos abandonaram o agricultor em um pomar de laranja no Conchal Velho, também área rural do município. Os indivíduos roubaram um trator Massey Ferguson 265, ano 1977, telefone celular e carteira com documentos.     

OS MELHORES FILMES - BAIXE O APP AGORA!

Tudo o que você precisa, em um só lugar

Tudo o que você precisa, em um só lugar
Acesse Amazon

Quer receber notícias gratuitamente via WhatsApp?

Quer receber notícias gratuitamente via WhatsApp?
Clique na imagem e nos envie o seu nome e idade

VEJA TAMBÉM

Jovem comete suicídio em Conchal neste domingo (29), um dia após comemorar aniversário

O jovem de aproximadamente 21 anos, morador da cidade de São Paulo, segundo registrado, foi encontrado por uma cidadã conchalense, em uma construção, por volta das 19:10hs, deste domingo (29).   Segundo informações obtidas no local dos fatos pela nossa reportagem e, confirmadas em registro de boletim de ocorrência. Uma cidadã conchalense (Aline), esteve nesta construção, localizada à rua Benedito Novo, no bairro Novo Horizonte, em Conchal, para conhecer o local, onde segundo informações pretendia alugar ou comprar antes mesmo do término da obra.   Chegando ao imóvel em construção, ao entrar em um dos cômodos, a testemunha se deparou com um corpo suspenso, pendurado, enforcado, com uma mangueira em torno do pescoço.   A testemunha acionou a Policia Militar que passava pelo local naquele momento. O SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), a Polícia Cientifica, representada pela perita Mariana, fotógrafo Marco e, a Policia Civil, representada pelo GCM Ivam, que auxilia

Linha com cerol provoca acidente fatal na tarde desta sexta-feira (28) em Conchal

Por volta das 15h40min, desta sexta-feira (28), um homem de 42 anos de idade, morador de Conchal, foi atingido fatalmente por uma linha com cerol, quando passava com sua moto pela Rua dos Battel, próximo a escola Bela Vista, no bairro Esperança 3, em Conchal, SP. Moto da vitima  Segundo testemunhas a vítima ainda conseguiu andar alguns metros, até a esquina com a rua dos Maiochi, lugar onde acabou perdendo os sentidos. O SAMU foi acionado, porém quando chegou ao local foi constatada morte eminente, devido extensa laceração na região do pescoço. A ocorrência ainda está em andamento. A Polícia Militar está no local. O responsável pela linha com cerol que tirou a vida do trabalhador, ainda não foi identificado. Vale lembrar, que a venda e/ou utilização de linha com cerol ou linha chilena, com também é chamada, é crime.     

Homem de 23 anos é assassinado nesta quarta-feira (23) com 3 tiros e 6 facadas em Conchal

O crime aconteceu por volta das 20h25min desta quarta-feira (23), à rua Cândida  Battel, no bairro Jardim Peres, em Conchal.   A Guarda Municipal atendeu a ocorrência com o apoio da Policia Militar.   Segundo informações fornecidas por moradores próximo ao local, a vítima Michael Willian Mendes da Silva, 23 anos, foi abordado por pelo menos dois indivíduos encapuzados.   Michael tentou fugir, mas foi golpeado com pelo menos 6 facadas e três tiros, segundo constatado pela Policia Cientifica que esteve no local dos fatos. A polícia investiga o caso.              

Polícia Militar liberta homem que seria julgado por ‘tribunal do crime’ e prende 11 pessoas em Conchal

Por: Beto Ribeiro Repórter   Na noite de domingo (20), os policiais militares cabo Barros e soldado Consoni, estavam em patrulhamento de Força Tática pelo município de Araras (SP), quando receberam informações via COPOM, que pela cidade de Conchal (SP), estava ocorrendo um suposto "tribunal do crime", em andamento em um bar, pelo bairro Jardim Esperança III. De imediato, foi realizada uma diligência até o local, com o apoio de outras viaturas.   A informação dava conta de que um rapaz havia sido sequestrado e que estava sendo agredido, e provavelmente seria morto, ainda conforme as informações os envolvidos aumentaram o som do estabelecimento, para que os gritos não fossem ouvidos. O local indicado é o conhecido Bar HM, de propriedade de um indivíduo já conhecido nos meios policiais e o estabelecimento é afamado ponto de tráfico.   Defronte ao bar, havia um porco no rolete sendo feito, sendo que ali estavam três indivíduos, os quais, ao perceberem a chegada das vi