Novidade!

Colapso de Araraquara é esperado para todo o estado de SP, diz infectologista – A nova cepa está a 70km de distância de Conchal, em Águas de Lindoia



Segundo publicado pelo Jornal O Globo, já somam, de acordo com a Secretaria estadual de Saúde, 25 os casos de Covid-19 no estado de São Paulo provocados pela variante do coronavírus inicialmente identificada em Manaus. Desses, 16 são de pessoas que não estiveram no Amazonas nem em contato com quem tenha viajado pela região. Ou seja, a linhagem P1 está produzindo em número significativo infecções autóctones, que ocorrem sem “importação”.

 

O Ministério da Saúde informa que, além de Amazonas e São Paulo, essa mutação do vírus já atinge pelo menos Ceará, Espírito Santo, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Roraima e Santa Catarina. E, segundo autoridades de saúde locais, há registros na Bahia e houve um episódio autóctone registrado no Rio Grande do Sul.

 


O avanço da P1 pelo país é preocupante, pois, segundo cientistas, ela demonstra ser mais transmissível. O principal freio seria a vacinação em massa. Mas a campanha nacional de imunização sofre com a escassez de vacinas (leia mais na página 9).

 

A própria eficácia dos imunizantes é outra incógnita. Não há estudos que indiquem o grau de proteção da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca contra essa cepa. O Instituto Butantan informa que testes já estão em curso e devem ser concluídos nas próximas semanas sobre a vacina chinesa. A AstraZeneca, parceira de Oxford e da Fiocruz, também iniciou estudos.

 


Araraquara concentra 12 dos 25 casos de São Paulo — os demais estão na capital (9), em Jaú (3) e em Águas de Lindoia (1), que fica a 70 Km de Conchal.

 

Para barrar as variantes (incluindo a britânica e a sul-africana), o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC) emitiu um alerta recomendando medidas de contenção como toques de recolher e lockdown.

 

A reportagem procurou o Ministério da Saúde para entender a estratégia federal de contenção da nova cepa, sem retorno. E a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não respondeu se adotaria medida similar à da reguladora da União Europeia, que agilizará a liberação de vacinas eficazes contra novas mutações.

 


Para Fernando Spilki, virologista que coordena a Rede Corona-ômica (iniciativa do Ministério da Ciência para observar a evolução do coronavírus), diante do número elevado de casos, do ritmo lento da vacinação e da nova linhagem circulando, o país deveria considerar, “se não um lockdown completo”, medidas que restrinjam a circulação. A situação atual, ele alerta, nos encaminha para uma terceira onda, ainda mais preocupante, pois, agora, com variantes do vírus. Ele diz que vivencia-se hoje o efeito da falta de controle da movimentação de cidadãos no país.

 

As mutações afetam a proteína S, que é determinante na propagação do vírus. Por isso, e pelo pico de doentes observados em Manaus, cientistas acreditam que a variante seja sim mais transmissível. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou, em audiência no Senado, que “análises indicam que ela seja três vezes mais contagiosa", mas não informou a estratégia da pasta para evitar a disseminação da cepa. Ainda não se sabe se ela é mais letal. “Precisamos de estudos epidemiológicos e clínicos melhores”, explica Ester Sabino, da USP, que lidera sequenciamentos genéticos do vírus.

 


Sim. Quem já foi contaminado pode ser novamente infectado por essa variante do Sars-CoV-2. “Sabemos que a reinfecção está sim ocorrendo, mas ainda não sabemos com que frequência”, conta Sabino. Os pesquisadores se preocupam pela capacidade que essa linhagem do coronavírus parece ter em “driblar” o sistema imunológico de quem já superou a doença e deveria, em tese, ser resistente. Uma outra questão que não está respondida é a da intensidade da infecção em quem já adoeceu anteriormente: ela é mais, igualmente, ou menos forte?

 

É impossível descobrir por iniciativa própria se você está infectado com alguma variante, incluindo a de Manaus. A identificação das cepas só pode ser feita por sequenciamento genético, ainda indisponível nos laboratórios brasileiros. A Fiocruz do Amazonas anunciou que está criando um teste de PCR capaz de diferenciar a P1. “Hoje o sequenciamento só é feito em laboratórios de vigilância e pesquisa. Não há indicação para fazer o teste com o objetivo de saber que variante as pessoas têm”, diz Sabino. O tratamento contra a Covid-19 é o mesmo.

 

Colapso de Araraquara é esperado para todo o estado

 


O caos enfrentado no sistema de saúde de Araraquara, no interior de São Paulo, pode acontecer em todo o estado. A afirmação é do infectologista Marcos Boulos, integrante do Centro de Contingência do Coronavírus.

 

Com 238,3 mil habitantes, Araraquara soma 12.434 infectados e 153 mortes por covid-19 desde o início da pandemia. Nos últimos dias, registrou recorde no número de contaminações (identificando inclusive a variante de Manaus) e taxa de ocupação de 100% nos leitos de enfermaria e Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Para tentar conter a disseminação, a prefeitura decretou lockdown.

 

Boulos contou nesta quarta-feira (17) à Rádio Bandeirantes que a situação foi debatida ontem em reunião do Centro de Contingência. “Avaliamos o que está acontecendo, com preocupação grande com Araraquara. Discutimos a cepa que está se disseminando. O que acontece em Araraquara é esperado para todo o estado de São Paulo e todo o Brasil. As pessoas abandonaram as recomendações sanitárias, estão indo para aglomerações, não estão usando máscara. Com uma cepa que tem contágio maior, a doença se dissemina de maneira intensa e o sistema de saúde se abala”, disse.

 


“Além de Araraquara, sistemas de várias cidades do interior estão com lotação de 100%. Isso quer dizer que a primeira pessoa que fica doente, depois de 100%, morre sem atendimento. O médico brinca de Deus, escolhe quem salvar quando não tem UTI para todo mundo, respirador para todo mundo. As pessoas precisam se conscientizar e não sair de casa sempre que possível. Com o tempo, a vacina vai levar à imunidade, mas esse tempo é grande, não temos disponibilidade de vacinas. Só vamos ter mais tranquilidade próximo do fim do ano”, completou.

 


Questionado se o lockdown seria a melhor alternativa para a capital e outras cidades do estado, Boulos disse que “qualquer profissional de saúde vai falar que quanto mais fechado melhor”, mas que os impactos econômicos precisam ser avaliados pelo governo. “Sem levar em consideração a parte social, eu colocaria o estado todo na fase laranja e alguns na fase vermelha [do Plano São Paulo]. Pelo menos isso eu faria. Se fosse ao extremo, colocaria tudo na vermelha, mas sei que seria inviável pelas pressões econômicas que o governador [João Doria] enfrenta.”.

 


 






 

 

Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Conchal/SP - Sem sintomas, jovem de 22 anos descobre que está grávida após 37 semanas de gestação – O fenômeno é chamado pelos médicos, de “gravidez silenciosa”

Policia Militar e fiscais da prefeitura de Conchal fecham 4 estabelecimentos por não respeitar medidas de combate ao Covid-19

Policia Civil apreende adolescente por tráfico de drogas no Esperança 1 em Conchal

Polícia Militar Ambiental resgata aves silvestres em cativeiro e aplica multa de R$ 9,9 mil em Conchal, SP

Policia Militar prende mais um por tráfico de drogas em Conchal - Indagado, o meliante confessou que estava na prática de comercialização do entorpecente pelo local

Vídeo - Comitê para Enfrentamento à Pandemia do Novo Coronavírus (COVID-19) em Conchal se reúne para debater as próximas medidas no combate

Maria da Penha nele! - Meliante agride mulher grávida de 8 meses e é detido pela Policia Militar em Conchal

Governo de São Paulo estuda decretar toque de recolher no interior do estado

Policia Militar apreende nesta quinta-feira (25) maconha e menor no Parque Industrial em Conchal

😎😎 Mulher tem casa invadida e reage com tapas e chutes após desconhecido tentar agarrá-la; assista vídeo.

Todas as Publicações

Mostrar mais