Pular para o conteúdo principal

120 dias Grátis

Precaução e alívio dos pais marcam volta às aulas presenciais em SP



Em meio ao crescimento do número de casos de covid-19, pais experimentam alívio e preocupação na retomada às aulas presenciais nas escolas particulares em São Paulo. A educadora Luciana Tofanelli Scaccabarozzi, 47 anos, mãe de Luan, de 11 anos, afirma que o filho acordou às 6h30 ansioso para se arrumar para o primeiro dia oficial de atividades presenciais. "Reforcei com ele todas as regras, falei para ele não encostar em nada e mandei uma garrafa d’água própria", disse. "Estou confiante nas diretrizes da escola, mas assim que ele chegar vai tirar o uniforme, tomar banho e higienizar a mochila."

Após seguidas batalhas na Justiça, as escolas estaduais e municipais foram autorizadas a retomar as atividades presenciais. No entanto, as redes estadual e particular têm calendários diferentes para a retomada. As primeiras instituições a receber os alunos com protocolos de saúde foram as particulares. As escolas estaduais têm previsão de retorno dia 8 de fevereiro e as municipais, dia 15. Uma das regras sanitárias para o retorno é que as salas de aula tenham até 35% da capacidade máxima de ocupação.



De acordo com o Sindicado dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp), 70% dos pais que possuem filhos em escolas particulares aderiram o retorno às aulas presenciais. Segundo o presidente da entidade, Benjamin Ribeiro da Silva, os colégios privilegiaram alunos entre 0 a 8 anos, com mais dificuldades com o ensino remoto. Segundo ele, a adesão, nesta segunda-feira (1º), foi em massa.

De acordo com ele, as escolas particulares se capacitaram, compraram equipamentos e contrataram assessorias. Além disso, adotaram protocolos de divisão de intervalos, aulas em ambientes abertos, distanciamento social e cuidados com a limpeza.



O filho de Luciana, Luan, participou das atividades escolares de forma online por sete meses. 'Acompanhei tudo diariamente, fazia um cronograma e colocava as informações principais em uma lousa para não perder nada”, diz ela. Em outubro, a educadora lembra que houve um retorno parcial às aulas presenciais. Segundo ela, a escola chegou a fazer uma enquete sobre a opinião dos pais em relação ao retorno presencial. “Comecei a levá-lo todos os dias, mas percebi que não tinha movimento. Mesmo assim, ele ficou até a 1ª quinzena de dezembro."

Agora, Luciana conta que as regras estão mais rígidas. “Pediram para não levar boné, relógio ou qualquer outro objeto pessoal”, diz. “Na hora do intervalo, eles serão orientados a trocar de máscara.” Apesar do medo da contaminação, Luciana prefere o ensino presencial. Nos meses de aulas virtuais, ela começou a perceber que o filho demonstrava sinais de irritação ao acompanhar as aulas. “A internet caia, o aplicativo não funcionava direito, os alunos não respeitavam o professor, desligavam a câmera”, diz.



Tudo começou a piorar, segundo Luciana, quando a escola passou a adotar aulas online ao invés de gravações. “Ele chegou a me dizer: ‘mãe, não estou mais aguentando’ e começava a chorar. Com a suspensão das aulas presenciais, Luciana também enfrentou dificuldades. Além de acompanhar as matérias com Luan, ela tinha que dar conta das aulas que assistia na faculdade. “Consegui me adaptar bem, mas o pior foi sentir que ele não estava se adaptando."

A dona de casa Flávia Thomaz Alves, de 35 anos, também sentiu sinais de estresse e irritação na filha Lavínia Thomaz Rodrigues Alves, de 5 anos. “Ela teve aulas online por oito meses. Como acordava e não tinha uma rotina muito estabelecida, nós a incentivamos a assistir as aulas, conversar virtualmente com os amigos e entender que ainda tinha uma rotina escolar”, disse. Apesar disso, Flávia afirma que o comportamento da menina foi duramente afetado pela pandemia. “Conviver muito com os adultos, uso excessivo de telas, falta dos amigos, a chegada da irmã fez com que ela chorasse com facilidade. Ela ficou sem saber lidar ao ser contrariada e esse comportamento se refletia nas aulas online com crises de choro”, disse.



Flávia afirma que, apesar da vontade de voltar às aulas presenciais, a filha teve dificuldades na hora de se distanciar dos pais. “Ela chorou quando a gente deixou na escola, mas depois eles costumam mandar foto de como ela está.” Pensando em facilitar o processo de adaptação, Flávia matriculou a filha em um curso de férias em janeiro. “Comecei a mandá-la porque sabia que seria difícil”, diz. “Agora, ela já sabe direitinho o que fazer: passa álcool em gel nas mãos e usa máscara. Já está familiarizada com a rotina. Mesmo assim, recomendamos não tocar nas coisas e evitar abraçar os colegas.”

Para Flávia, manter os protocolos sanitários será um desafio para os educadores. “As crianças querem se abraçar, deixam as máscaras cair, sabemos que não é simples”, afirma. “A retomada é preocupante, mas estamos confiando na ciência. Hoje, a necessidade dela de estar no ambiente escolar é grande e supera o risco da contaminação.”



Durante o período das aulas online, Flávia teve a segunda filha, Valentina, período em que o dia a dia se tornou ainda mais exaustivo. “Entre maio e junho, tive que deixar de assistir as aulas com ela para acompanhar a gravação depois, quando conseguia”, diz. “Agora, estou aliviada por ter um pouco do meu tempo de volta, mas, ainda assim, a possibilidade de trazer o vírus para dentro de casa é uma grande preocupação.”

A filha da relações públicas Sefirah de Araújo, de 33 anos, também voltou às aulas nesta segunda-feira. Helena parou de frequentar as aulas presenciais em março, no início da pandemia, e participou das atividades virtuais até junho do ano passado. “Ela estava muito dispersa, demorou para se adaptar”, disse Sefirah. “Como entrei em outra licença maternidade não consegui mais acompanhar as aulas com ela.” A grande dificuldade para Sefirah veio quando o irmão de Helena nasceu. “Ele estava gostando de ficar em casa, mesmo com a correria. Mas, nesse período, foi um grande desafio porque a criança precisa ter os momentos próprios: socializar com as outras, desenvolver relações.”



Sefirah afirma que, nos últimos meses, tentava suprir as necessidades da filha de todas as formas. “Conseguimos suportar até agora, mas passar por mais um ano nessas condições seria muito difícil”, diz. “Por mais que, na idade dela, estar na escola ainda não seja obrigatório, eu não estava mais conseguindo proporcionar atividades para o desenvolvimento dela. Estava sempre tentando elaborar um arsenal de coisas para ela se distrair.” Na manhã desta segunda-feira, mãe e filha acordaram animadas para a retomada. “Não tive dúvidas quando soube que as atividades presenciais voltariam. Agora vou conseguir trabalhar mais focada.”

A mãe de Helena afirma que, neste momento, a maior expectativa é saber como a menina se comportará nos próximos dias. “Vamos acompanhar a parte psicológica e emocional. Antes, ela estava sempre procurando o que fazer e nós sentíamos culpa por não conseguir ocupá-la da forma ideal.”



O fotógrafo Christian Koenenkamp, 48 anos, também acompanhou o primeiro dia de retorno do filho Théo, de 5, à escola. Aluno de uma instituição particular, ele participou de atividades de acolhimento para recepcionar novos estudantes na quinta e sexta-feira da semana passada. “Começar em uma escola nova depois de um ano em casa é um pouco difícil”, diz Koenenkamp. Théo estava no Jardim 2 quando as aulas presenciais se transformaram em atividades onlines. “Mas, nossa família teve estrutura para acompanhar as aulas com ele.”

O pai de Théo conta que, todas as manhãs, ele se sentava junto ao filho para apoiá-lo. “Fazia as vezes de professor, conseguimos fazer isso por um ano”, diz. “Estou muito feliz por ele ter voltado agora porque o prejuízo que essas crianças terão em termos de desenvolvimento será muito grande”, afirma. “Ao mesmo tempo, sinto medo pela possibilidade de alguma criança voltar da escola contaminada. Talvez, se os adultos fizessem o isolamento social da forma correta, tivéssemos mais segurança de mandar os filhos de volta às escolas.”



Ansioso, Théo saiu para a escola no começo da manhã desta segunda-feira. Na mochila, o álcool em gel pendurado mostrava o cuidado e a atenção com os novos protocolos sanitários adotados pela escola. “Ele sabe que tem que usar máscara e lavar as mãos o tempo todo. O que se pode fazer está sendo feito", diz Koenenkamp. "A grande dúvida é sobre o que vai acontecer quando surgirem os primeiros casos de crianças que testarem positivo para a covid-19. As aulas online ficarão sempre no gatilho."

*Com informações de R7.









Leia também

Procurado por homicídio é preso pela Policia Militar em Conchal. “O cara matou o meu filho, eu fui e matei ele também e não estou arrependido. Tinha mais pra derrubar, e quando eu sair vou atrás novamente”. Disse o preso na delegacia

Na noite desta quinta-feira (17), equipes de Força Tática (cabo Belucci, soldado Gallo e soldado Viana), e ROCAM (cabo Roberto e soldado Perissato), receberam informações que um homem procurado por dois homicídios no município de Leme (SP), estaria escondido pelo município de Conchal (SP). Imediatamente os policiais militares, sob o comando do sargento Ricardo, iniciaram diligências, quando a equipe de ROCAM acabou visualizando o veículo em que o procurado estava. Feito a abordagem, inicialmente o suspeito apresentou um nome falso, mas depois acabou confessando que era ele mesmo, inclusive levou os policiais até sua residência, onde foi apreendida uma arma cal. 38 de fabricação caseira. Diante dos fatos, José Moreira recebeu voz de prisão em flagrante e foi conduzido ao plantão da Central de Polícia Judiciária, onde em conversa com a reportagem (assista abaixo), ele disse que o primeiro homicídio, ele matou um bandido que o assaltou, e ele teria ganho na Justiça, mas o segundo, cometid

Conselho Tutelar promove ação e retira menores que vendiam trufas no semáforo em Conchal – O C.T informou a existência de denúncias – Acompanhado da mãe, menino diz que só quer ganhar dinheiro sem precisar vender drogas

Crianças exibem com orgulho o que conseguiram conquistar vendendo trufas no semáforo em Conchal   A ação de fiscalização do Conselho Tutelar aconteceu no sábado (19), no semáforo da Rua Camilo Chagas em Conchal. Pelos menos 5 meninos entre 10 e 13 anos, costumam ficar diariamente neste ponto da cidade vendendo trufas. Com a chegada dos conselheiros o trabalho dos meninos foi interrompido, quando um deles utilizando o próprio telefone celular, telefonou para mãe que compareceu ao local. Segundo informado pelos conselheiros à nossa reportagem, existem diariamente diversas denúncias sobre as crianças e adolescentes que estão vendendo trufas no semáforo. Por meio de nota, o Conselho Tutelar de Conchal informou que: “Este tipo de atividade consta na lista das piores formas de trabalho infantil (Lista TIP), pois às deixam expostas à violência, drogas, assédio sexual e tráfico de pessoas; exposição à radiação solar, chuva e frio; acidentes de trânsito, atropelamento etc. Além de acarr

Prefeitura de Conchal decreta novos horários de funcionamento dos comércios e estabelece medidas de combate à pandemia no âmbito municipal de 19/06/2021 a 30/06/2021 – Acesse e leia decreto na integra.

DECRETO Nº 4.450, DE 17 DE JUNHO DE 2021. “DISPÕE SOBRE ADOÇÃO DE NOVAS PROVIDÊNCIAS AO COMBATE DA COVID-19, NOS TERMOS DO PLANO SÃO PAULO, CONFORME ESPECÍFICA.” LUIZ VANDERLEI MAGNUSSON, Prefeito do Município de Conchal, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais; e, Considerando que o Exmo. Governador do Estado de São Paulo - Sr. João Dória, através do Decreto nº 65.792, de 11 de junho de 2021, prorrogou a medida de quarentena em todo o Estado no período de 14 a 30 de junho de 2021; Considerando ainda os termos do ANEXO I do referido Decreto Estadual que apresenta recomendação para que os municípios com índice de ocupação de leitos de UTI superior a 90%, ampliem o grau de restrição de desempenho de atividades com a finalidade de prevenir o esgotamento da capacidade de atendimento à população; e, Considerando finalmente que o Município de Conchal, bem como as demais regiões do Estado estão classificadas na fase vermelha do Plano São Paulo;  

Bandidos armados roubam trator, agridem, sequestram e abandonam vítima em área rural de Conchal

Imagem Ilustrativa O crime aconteceu nesta sexta-feira (18), por volta das 16:40hs. A vítima, um homem de 51 anos de idade, transitava com o trator pela Estrada da Capelinha, quando foi abordado por três indivíduos que anunciaram o assalto. Pelo menos um dos criminosos portava uma arma, que segundo a vítima, parecia ser um calibre 12. Os criminosos agrediram e sequestraram a vítima, o colocando dentro de um carro que circulou por pelo menos meia hora na área rural de Conchal. Os bandidos abandonaram o agricultor em um pomar de laranja no Conchal Velho, também área rural do município. Os indivíduos roubaram um trator Massey Ferguson 265, ano 1977, telefone celular e carteira com documentos.     

Conchal registra mais 3 óbitos por Covid-19 nesta quarta-feira (16) – Veja Boletim

Veja abaixo boletim publicado ontem, terça-feira (15

OS MELHORES FILMES - BAIXE O APP AGORA!

Tudo o que você precisa, em um só lugar

Tudo o que você precisa, em um só lugar
Acesse Amazon

Quer receber notícias gratuitamente via WhatsApp?

Quer receber notícias gratuitamente via WhatsApp?
Clique na imagem e nos envie o seu nome e idade

VEJA TAMBÉM

Jovem comete suicídio em Conchal neste domingo (29), um dia após comemorar aniversário

O jovem de aproximadamente 21 anos, morador da cidade de São Paulo, segundo registrado, foi encontrado por uma cidadã conchalense, em uma construção, por volta das 19:10hs, deste domingo (29).   Segundo informações obtidas no local dos fatos pela nossa reportagem e, confirmadas em registro de boletim de ocorrência. Uma cidadã conchalense (Aline), esteve nesta construção, localizada à rua Benedito Novo, no bairro Novo Horizonte, em Conchal, para conhecer o local, onde segundo informações pretendia alugar ou comprar antes mesmo do término da obra.   Chegando ao imóvel em construção, ao entrar em um dos cômodos, a testemunha se deparou com um corpo suspenso, pendurado, enforcado, com uma mangueira em torno do pescoço.   A testemunha acionou a Policia Militar que passava pelo local naquele momento. O SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), a Polícia Cientifica, representada pela perita Mariana, fotógrafo Marco e, a Policia Civil, representada pelo GCM Ivam, que auxilia

Linha com cerol provoca acidente fatal na tarde desta sexta-feira (28) em Conchal

Por volta das 15h40min, desta sexta-feira (28), um homem de 42 anos de idade, morador de Conchal, foi atingido fatalmente por uma linha com cerol, quando passava com sua moto pela Rua dos Battel, próximo a escola Bela Vista, no bairro Esperança 3, em Conchal, SP. Moto da vitima  Segundo testemunhas a vítima ainda conseguiu andar alguns metros, até a esquina com a rua dos Maiochi, lugar onde acabou perdendo os sentidos. O SAMU foi acionado, porém quando chegou ao local foi constatada morte eminente, devido extensa laceração na região do pescoço. A ocorrência ainda está em andamento. A Polícia Militar está no local. O responsável pela linha com cerol que tirou a vida do trabalhador, ainda não foi identificado. Vale lembrar, que a venda e/ou utilização de linha com cerol ou linha chilena, com também é chamada, é crime.     

Homem de 23 anos é assassinado nesta quarta-feira (23) com 3 tiros e 6 facadas em Conchal

O crime aconteceu por volta das 20h25min desta quarta-feira (23), à rua Cândida  Battel, no bairro Jardim Peres, em Conchal.   A Guarda Municipal atendeu a ocorrência com o apoio da Policia Militar.   Segundo informações fornecidas por moradores próximo ao local, a vítima Michael Willian Mendes da Silva, 23 anos, foi abordado por pelo menos dois indivíduos encapuzados.   Michael tentou fugir, mas foi golpeado com pelo menos 6 facadas e três tiros, segundo constatado pela Policia Cientifica que esteve no local dos fatos. A polícia investiga o caso.              

Polícia Militar liberta homem que seria julgado por ‘tribunal do crime’ e prende 11 pessoas em Conchal

Por: Beto Ribeiro Repórter   Na noite de domingo (20), os policiais militares cabo Barros e soldado Consoni, estavam em patrulhamento de Força Tática pelo município de Araras (SP), quando receberam informações via COPOM, que pela cidade de Conchal (SP), estava ocorrendo um suposto "tribunal do crime", em andamento em um bar, pelo bairro Jardim Esperança III. De imediato, foi realizada uma diligência até o local, com o apoio de outras viaturas.   A informação dava conta de que um rapaz havia sido sequestrado e que estava sendo agredido, e provavelmente seria morto, ainda conforme as informações os envolvidos aumentaram o som do estabelecimento, para que os gritos não fossem ouvidos. O local indicado é o conhecido Bar HM, de propriedade de um indivíduo já conhecido nos meios policiais e o estabelecimento é afamado ponto de tráfico.   Defronte ao bar, havia um porco no rolete sendo feito, sendo que ali estavam três indivíduos, os quais, ao perceberem a chegada das vi