Por que peixe não é considerado carne durante a Quaresma?






Para os cristãos, a quaresma é o período litúrgico de preparação para a Páscoa. Ela é uma época de viver de forma simples, praticar o jejum, a abstinência, a reflexão espiritual e a penitência. Mas, também é o período de trocar o Big Mac por um McFish. Mesmo que peixe, teoricamente, também seja carne.

A tradição de não comer carne nas sextas-feiras da quaresma vem para “honrar” o sacrifício que Cristo fez. A maioria dos cristãos associa a data aos 40 dias que Jesus passou em jejum no deserto, sendo atormentado pelo demônio, antes de começar sua vida pública e se apresentar como um profeta de Deus.

Na verdade, a duração da Quaresma nem está diretamente ligada a isso: ela é baseada na simbologia que o número quarenta possui na Bíblia — quarenta dias do dilúvio, quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, quarenta dias e Moisés e de Elias na montanha, 400 anos que durou o exílio dos judeus no Egito, etc.

Desde a antiguidade, a carne vermelha foi símbolo de opulência e celebração. Por isso, consumi-la durante a Quaresma não faz jus às práticas humildes desta época. Mesmo assim, isso não responde por que apenas carnes vermelhas e aves são proibidas, enquanto peixe é liberado. E é aqui que entram Paulo e São Tomás de Aquino.

As explicações religiosas
Na primeira carta de Paulo aos Coríntios, ele escreveu: “Nem todas as carnes são iguais: uma é a dos homens e outra a dos animais; a das aves difere da dos peixes” (15:39).

A distinção foi possivelmente tirada das próprias restrições alimentares do judaísmo, que separam os próprios peixes em dois grupos, de “permitido” e “proibido”. O peixe para a dieta judaica só é um alimento considerado “limpo” e adequado se tiver barbatanas e escamas – é o caso do atum e do salmão, mas não de tubarões, bagres e enguias, por exemplo. Entre os bichos terrestres, a regra é que o bicho seja ruminante e tenha os cascos fendidos em duas partes. Então vale carne de vaca, mas não de porco… Nem de camelo. Nem de coelho.
 
Mas nada disso tinha ligação com a quaresma, em si. Vamos então ao século XIII, quando a separação de carne vs. peixe se estabeleceu de vez. São Tomás de Aquino dá outra explicação, em seu texto “Suma Teológica II”. Segundo ele, a regra tinha a ver… com evitar prazer e sexo (!).

“O jejum foi instituído pela Igreja a fim de refrear as concupiscências da carne, que consideram os prazeres do toque em relação à comida e ao sexo. Portanto, a Igreja proibiu aqueles que jejuam de comer alimentos que proporcionam mais prazer ao paladar (…) e que seu consumo resulta em um maior excedente de matéria seminal, que quando abundante se torna um grande incentivo à luxúria.”
 
Tradução: eles acreditavam que comer refeições mais “parrudas”, com carne vermelha, não só eram mais gostosas, como aumentavam a produção masculina de sêmen. E esse aumento levaria a uma libido maior (o que, vale lembrar não é verdade, não é ciência, era apenas o entendimento religioso da época).

Mas não só as carnes vermelhas foram proibidas. São Tomás de Aquino adverte que o frango também proporciona prazer, já que também é um animal de “sangue quente” e da terra, diferenciando-se do peixe.

Flexibilização das crenças — e carnes
Apesar dessas explicações, há quem acredite que, na verdade, essa restrição veio de interesses particulares do Vaticano, grande proprietário de comércios marítimos. E eles flexibilizaram as regras ao longo dos anos, de acordo com determinadas conveniências.

No século XVII, o bispo do Quebec decidiu que os castores eram peixes. Em vários dos nosso vizinhos da América Latina, não há problema em comer capivara —aparentemente também um “mamífero aquático” para a Igreja — nas sextas-feiras da Quaresma. E, em 2010, o arcebispo de Nova Orleans deu positivo a carne de jacaré quando declarou: “O jacaré é da família dos peixes”.

E essas restrições na dieta só se aplicam aos cristãos católicos: graças ao rei Henrique VIII e a Martinho Lutero, os protestantes não precisam se preocupar com o bacalhau do domingo. Quando Henrique reinou, o peixe era um dos pratos mais populares da Inglaterra. Mas quando ele se separou da Igreja Católica, consumir peixe nesse período  se tornou uma declaração política pró-católica.

Os anglicanos e os simpatizantes do rei, então, faziam questão de comer carne nas sextas-feiras da Quaresma.

Na mesma época, Martinho Lutero declarou que o jejum dependia do indivíduo, não da Igreja. Mas essas atitudes prejudicaram bastante o setor pesqueiro da Inglaterra. Em 1547, o filho de Henrique, o rei Eduardo VI tentou restabelecer o jejum de carne para melhorar a economia do país – pelo menos para os peixeiros. Alguns anglicanos até retomaram a prática, mas os protestantes nunca morderam totalmente a isca.



Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Policia Militar apreende cocaína em comércio no centro de Conchal

Trio é preso suspeito de roubos de combustíveis em Mogi Guaçu

Safra da laranja 2019/20 do cinturão citrícola de SP e MG é estimada em 388,89 milhões de caixas

Família procura por jovem surdo e mudo desaparecido em Engenheiro Coelho, SP

Homem ataca ex-namorada dentro de Delegacia da Mulher em SP

Papa aceita renúncia do bispo de Limeira

Conchal recebe do UNIFAJ o prêmio de “Prefeito Educador 2019”

Tucano é flagrado por câmera de monitoramento na Rodovia Anhanguera, em Campinas

Aposentado cria armadilha para mosquito da dengue e vira projeto de pesquisa em universidades

Todas as Publicações

Mostrar mais