Por que peixe não é considerado carne durante a Quaresma?






Para os cristãos, a quaresma é o período litúrgico de preparação para a Páscoa. Ela é uma época de viver de forma simples, praticar o jejum, a abstinência, a reflexão espiritual e a penitência. Mas, também é o período de trocar o Big Mac por um McFish. Mesmo que peixe, teoricamente, também seja carne.

A tradição de não comer carne nas sextas-feiras da quaresma vem para “honrar” o sacrifício que Cristo fez. A maioria dos cristãos associa a data aos 40 dias que Jesus passou em jejum no deserto, sendo atormentado pelo demônio, antes de começar sua vida pública e se apresentar como um profeta de Deus.

Na verdade, a duração da Quaresma nem está diretamente ligada a isso: ela é baseada na simbologia que o número quarenta possui na Bíblia — quarenta dias do dilúvio, quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, quarenta dias e Moisés e de Elias na montanha, 400 anos que durou o exílio dos judeus no Egito, etc.

Desde a antiguidade, a carne vermelha foi símbolo de opulência e celebração. Por isso, consumi-la durante a Quaresma não faz jus às práticas humildes desta época. Mesmo assim, isso não responde por que apenas carnes vermelhas e aves são proibidas, enquanto peixe é liberado. E é aqui que entram Paulo e São Tomás de Aquino.

As explicações religiosas
Na primeira carta de Paulo aos Coríntios, ele escreveu: “Nem todas as carnes são iguais: uma é a dos homens e outra a dos animais; a das aves difere da dos peixes” (15:39).

A distinção foi possivelmente tirada das próprias restrições alimentares do judaísmo, que separam os próprios peixes em dois grupos, de “permitido” e “proibido”. O peixe para a dieta judaica só é um alimento considerado “limpo” e adequado se tiver barbatanas e escamas – é o caso do atum e do salmão, mas não de tubarões, bagres e enguias, por exemplo. Entre os bichos terrestres, a regra é que o bicho seja ruminante e tenha os cascos fendidos em duas partes. Então vale carne de vaca, mas não de porco… Nem de camelo. Nem de coelho.
 
Mas nada disso tinha ligação com a quaresma, em si. Vamos então ao século XIII, quando a separação de carne vs. peixe se estabeleceu de vez. São Tomás de Aquino dá outra explicação, em seu texto “Suma Teológica II”. Segundo ele, a regra tinha a ver… com evitar prazer e sexo (!).

“O jejum foi instituído pela Igreja a fim de refrear as concupiscências da carne, que consideram os prazeres do toque em relação à comida e ao sexo. Portanto, a Igreja proibiu aqueles que jejuam de comer alimentos que proporcionam mais prazer ao paladar (…) e que seu consumo resulta em um maior excedente de matéria seminal, que quando abundante se torna um grande incentivo à luxúria.”
 
Tradução: eles acreditavam que comer refeições mais “parrudas”, com carne vermelha, não só eram mais gostosas, como aumentavam a produção masculina de sêmen. E esse aumento levaria a uma libido maior (o que, vale lembrar não é verdade, não é ciência, era apenas o entendimento religioso da época).

Mas não só as carnes vermelhas foram proibidas. São Tomás de Aquino adverte que o frango também proporciona prazer, já que também é um animal de “sangue quente” e da terra, diferenciando-se do peixe.

Flexibilização das crenças — e carnes
Apesar dessas explicações, há quem acredite que, na verdade, essa restrição veio de interesses particulares do Vaticano, grande proprietário de comércios marítimos. E eles flexibilizaram as regras ao longo dos anos, de acordo com determinadas conveniências.

No século XVII, o bispo do Quebec decidiu que os castores eram peixes. Em vários dos nosso vizinhos da América Latina, não há problema em comer capivara —aparentemente também um “mamífero aquático” para a Igreja — nas sextas-feiras da Quaresma. E, em 2010, o arcebispo de Nova Orleans deu positivo a carne de jacaré quando declarou: “O jacaré é da família dos peixes”.

E essas restrições na dieta só se aplicam aos cristãos católicos: graças ao rei Henrique VIII e a Martinho Lutero, os protestantes não precisam se preocupar com o bacalhau do domingo. Quando Henrique reinou, o peixe era um dos pratos mais populares da Inglaterra. Mas quando ele se separou da Igreja Católica, consumir peixe nesse período  se tornou uma declaração política pró-católica.

Os anglicanos e os simpatizantes do rei, então, faziam questão de comer carne nas sextas-feiras da Quaresma.

Na mesma época, Martinho Lutero declarou que o jejum dependia do indivíduo, não da Igreja. Mas essas atitudes prejudicaram bastante o setor pesqueiro da Inglaterra. Em 1547, o filho de Henrique, o rei Eduardo VI tentou restabelecer o jejum de carne para melhorar a economia do país – pelo menos para os peixeiros. Alguns anglicanos até retomaram a prática, mas os protestantes nunca morderam totalmente a isca.



Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Polícia indicia pai e mãe de adolescente que pediu socorro pelas redes sociais após ser estuprada

Polícia Civil de Conchal apreendeu na tarde desta terça-feira (16), traficante com 45 papelotes de cocaína, 25 pedras de crack e 31 reais em espécie

Polícia Civil investiga mais dois padres por suspeita de abuso sexual da diocese de Limeira, SP

Liberação de saque de contas do FGTS será anunciada na próxima semana, diz ministro da Casa Civil

Menino que saiu para empinar pipa foi abusado e morto em Itapevi, SP

Vereadores de Conchal aprovam relatório para a abertura de processo de cassação do vereador Rodinei Ferreira da Silva.

Líder de grupo terrorista revela plano para matar Bolsonaro

ANP libera venda direta ao consumidor de botijão de gás de 13 kg

Governo de São Paulo muda identidade visual de viaturas da PM

Funcionários da concessionária Arteris/Intervias entram em greve por tempo indeterminado

Todas as Publicações

Mostrar mais