Novidade!

MP oferece nova denúncia por crimes sexuais contra João de Deus, em Goiás

 Médium está internado em hospital de Goiânia, mas STJ determinou que ele volte para prisão. Ele sempre negou os crimes e defesa informou que vai recorrer da decisão no STF.       




O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) ofereceu nova denúncia por crimes sexuais contra o médium João de Deus, de 77 anos. Segundo o órgão, ele está sendo denunciado por violação sexual mediante fraude contra dez pessoas. Ele segue internado em hospital de Goiânia na manhã desta quarta-feira (5), mesmo após decisão do STJ determinar que ele volte para prisão.


A defesa do médium, informou que até as 9h10 desta quarta-feira não tinha conhecimento sobre a nova denúncia. Sobre a decisão de mandar o cliente de volta para a cadeia, os advogados disseram que vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a denúncia, os abusos ocorreram na Casa Dom Inácio de Loyola, onde o médium fazia atendimentos espirituais. Consta no processo que as vítimas relataram que foram abusadas na chamada "Sala da Entidade", com dezenas de pessoas que, segundo o MP, eram instruídas a ficar de cabeça baixa e olhos fechados durante todo o tempo, em oração - se abrissem os olhos eram convidadas a se retirar.

De acordo com os promotores da força-tarefa que investiga os crimes de João de Deus, os funcionários ficavam de olhos abertos e sabiam o que acontecia dentro da sala.

"Uma das vitimas, depois de passar por essa situação, foi ate um funcionário para relatar o que tinha ocorrido. Ele disse que isso era comum, normal, que não tinha nada de sexual no ato, que era algo assexuado", explicou a promotora Ariane Patrícia Gonçalves.

O MP-GO informou ainda que essa é a denúncia com maior número de vítimas. Elas são todas mulheres, entre 20 e 35 anos, do Distrito Federal, de São Paulo e do Paraná. Os abusos, conforme a denúncia, aconteceram entre 2015 e 2018. Ainda segundo o processo, outras cinco mulheres atuam como testemunhas, porque também denunciaram abusos, mas que já prescreveram.

Os promotores também investigam os funcionários e voluntários da Casa. "Funcionários não somente tinham conhecimento dos fatos, como também contribuíam para viabilizar os delitos e impedir que as vitimas denunciassem, fazendo com que elas duvidassem do que tinha acontecido", completou Ariane.

“Havia uma estrutura de apoio montada, uma rede de proteção para viabilizar a prática desses delitos. Funcionários, voluntários, e até donos de pousadas da região sabiam o que acontecia e não reagiam, além de fazer com que as vítimas acreditassem que não eram abusos, mantendo-as em estado de dúvida para não denunciar o médium”, afirmou o promotor Augusto Cesar Souza.

Ainda segundo o promotor, o MP quer identificar esses funcionários, de que forma contribuíam aos crimes e a parcela de culpa de cada um.

O médium é réu em outros oito processos por: crimes sexuais, posse ilegal de arma e falsidade ideológica. Ele sempre negou as acusações.

João de Deus está preso desde o dia 16 de dezembro de 2018. No dia 22 de março deste ano, a Justiça autorizou que ele fosse transferido para o Instituto de Neurologia de Goiânia, atendendo a pedido da defesa, que alegava risco à vida do médium em razão do seu estado de saúde.

Andamentos das denúncias

O Ministério Público denunciou o médium dez vezes, das quais duas ainda não foram analisadas pela Justiça. Ele é réu nas outras oito, que foram aceitas. Elas são:

·        Quatro por crimes sexuais: dois deles já tiveram audiência realizada e outros dois estão com audiência marcada;
·        Um por crimes sexuais, corrupção de testemunha e coação: ainda não teve audiência;
·        Um por crimes sexuais e falsidade ideológica: atualmente está em fase de citação (comunicação ao réu);
·        Dois por posse ilegal de armas de fogo e munição: um já teve audiência realizada. O TJ não deu detalhes sobre o outro caso.





Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Guarda Municipal prende segundo acusado de ter assassinado a facadas o pintor Wesley Ribeiro, 24 anos. O crime aconteceu em 9 de março deste ano

Novo caso de coronavirus é confirmado em Conchal neste sábado (23). O paciente tem 12 anos e pertence a região sudeste do município

Conchal terá barreira sanitária na entrada da cidade a partir desta quinta-feira (21)

Enfermeira é suspensa de hospital após atender pacientes com Covid-19 apenas de lingerie

Policia Militar e Guarda Municipal acabam com festa e aglomeração de pessoas no Jardim das Palmeiras em Conchal.

Conchal realiza barreira sanitária com controle de temperatura no acesso da cidade

Resposta Rápida – Policia Civil de Conchal prende um dos suspeitos de ter participado do assassinato do pintor Wesley Ribeiro, 24 anos. O crime aconteceu ontem 09/03. Assista vídeo da prisão.

Funcionário público é preso por furto de luvas, máscaras e aventais dentro da Secretaria de Saúde de Mogi Guaçu

Governo estadual antecipa feriado de 9 de julho para próxima segunda-feira, 25 de maio

Criança conchalense que testou positivo para Covid-19 recebe alta, diz diretora de Saúde de Conchal em entrevista ao F5

Todas as Publicações

Mostrar mais