Após decretos de Bolsonaro, país chega a 1 milhão de armas registradas


De acordo com a Polícia Federal, 36.009 novos armamentos foram registrados entre janeiro e agosto, dos quais 52% ocorreram após sequência de decretos sobre o tema.





As políticas implementadas pelo governo federal têm provocado um aumento na quantidade de armas de fogo no país. De acordo com dados da Polícia Federal (PF), 36.009 novos armamentos foram registrados entre janeiro e agosto deste ano, dos quais 52% ocorreram nos últimos três meses desse período, após o presidente Jair Bolsonaro editar uma sequência de decretos sobre o tema. Em setembro, o total de registros ativos de armas no país expedidos pela PF já havia ultrapassado a marca de 1 milhão, ante os 678.309 de dezembro do ano passado.


Levando-se em consideração a média mensal de registros, 2019 pode se tornar o ano com maior número de novas armas em circulação desde o início da série histórica, em 1997. Em 2018, o patamar de 36 mil novas armas só foi alcançado em outubro. O volume notificado pela PF até agosto de 2019 já é maior do que a média anual considerando o período de 2008 até o ano passado: 34.412.

A disseminação da presença das armas de fogo no país também é apontada no incremento de 49% dos registros ativos concedidos pela PF entre dezembro do ano passado e setembro deste ano, quando o número bateu a marca recorde de 1.013.139. O crescimento não é explicado apenas pelos novos armamentos, mas também por registros expirados que foram reativados.

No Rio, os registros de novas armas passaram de 90 em janeiro para 273 em agosto deste ano, um salto de 203%. Em Minas Gerais, que soma o maior volume de novos cadastros (4.789), o aumento no período foi de 230%.

Entre as principais mudanças promovidas por Bolsonaro, está a determinação de que cabe ao próprio solicitante do registro apresentar uma declaração de “efetiva necessidade” sobre a posse da arma. A avaliação, até o ano passado, era uma atribuição da PF, e foi criticada pelo presidente por ter um caráter subjetivo. A alteração no mecanismo tornou o processo mais ágil, facilitando as concessões. Em outra frente, o governo enviou à Câmara um projeto que flexibiliza o Estatuto do Desarmamento e amplia o direito ao porte para uma série de categorias. O texto pode ser votado em plenário esta semana.

Os dados do Sistema Nacional de Armas (Sinarm) foram obtidos pelo GLOBO e pelo Instituto Igarapé, via Lei de Acesso à Informação. Os números incluem registros para pessoas físicas, lojas de armas, órgãos de segurança pública e empresas de segurança privada. Não estão na conta os registros para Colecionadores, Atiradores e Caçadores (CACs), que são de responsabilidade do Exército, que passaram de 350.683 em dezembro de 2018 para 464.720 em agosto deste ano, salto de 32%.

Conteúdo: ‘O GLOBO’






Comentários

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Corpo de mulher é encontrado fora da cova e seminu: “Apavorante”

Justiça determina bloqueio de 407 mil reais do Presidente da Câmara Municipal de Conchal Roberson Claudino Pedro (Robinho) e de Marcelo Aparecido Mandeli, ex-assessor do presidente

Videos - Após chuvas em Conchal, infestação de pequenos sapos assusta moradores

Suspeito de Roubar Joalheria em Conchal é preso pela Policia Civil

Adolescente de 12 anos é estuprada dentro de escola pública em SP

Corpo de menina torturada por pai tem 37 marcas de tiros de arma de pressão, diz Conselho Tutelar

Suspeito de matar engenheira após perseguição no trânsito é preso em MT

Oferta de emprego que veta 'negras e gordas' vira caso de polícia em Belo Horizonte

Polo do Cartório Eleitoral em Conchal abrirá para cadastramento biométrico no feriado, dia 15 de novembro (sexta-feira)

Bolsonaro extingue o seguro obrigatório de veículos, o DPVAT

Todas as Publicações

Mostrar mais