Novidade!

Pandemia não abateu humor do brasileiro, diz 'ranking da felicidade'




Apesar de tudo, a pandemia do novo coronavírus não conseguiu derrubar o humor do brasileiro — ou, pelo menos, não conseguiu piorar ainda mais a forma como a população se sente em 2020, em relação a 2019.

O achado é da pesquisa Global Happiness 2020, do instituto de pesquisas Ipsos.

Na edição deste ano, 63% dos brasileiros se disseram felizes. O número oscilou positivamente, dentro da margem de erro, em relação ao ano passado. Em 2019, 61% dos brasileiros disseram estar felizes.



No entanto, não é como se o humor nacional estivesse no pico: o ano mais alegre para os brasileiros, segundo o Ipsos, foi em 2013, quando 81% se diziam contentes.

Embora o número total tenha mudado pouco, os motivos que levam os brasileiros a se considerarem felizes mudaram em 2020, em relação ao ano passado.

Interpessoal

Durante a pandemia, o brasileiro parece ter passado a dar mais importância para as relações interpessoais.

Menos pessoas mencionaram como fonte de felicidade a situação da economia (-9%) e a própria situação financeira (-2%). Em compensação, mais brasileiros citaram a relação com o cônjuge ou namorado (+5%) e com os amigos (+4%).



Também ganharam importância as doações aos necessitados ou o trabalho voluntário (+6%) e até o fato de ter sido perdoado por alguma falta contra outra pessoa (+6%).

Este ano, a pesquisa da Ipsos foi aplicada em 27 países, entre os dias 24 de julho e 7 de agosto. Ao todo, foram ouvidas 19.516 pessoas, usando uma plataforma online desenvolvida pela empresa.

No Brasil, foram ouvidos 1.000 moradores, e a margem de erro nos dados relativos ao país foi estimada em 3,5 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Desde a primeira edição da pesquisa, em 2011, o índice de felicidade no Brasil caiu 14 pontos percentuais. Naquele ano, 77% dos moradores do país se diziam felizes.



Segundo o levantamento, o ápice da satisfação dos brasileiros com a vida foi em 2013, quando 81% se disseram felizes. Por outro lado, o ano mais triste foi 2017, quando apenas 56% responderam positivamente.

Segundo a diretora de comunicação da Ipsos no Brasil, Sandra Zlotagora Pessini, é possível que o fato da pesquisa ter sido conduzida por meio virtual tenha diminuído a representação de pessoas mais pobres na amostra, integrantes da chamada Classe E. No entanto, diz ela, a internet tem hoje grande penetração no país, e alcança algo como 74% dos brasileiros.

*Com informações de R7.





Imperdível

Publicidade

Não Perca Tempo! Venha para os Cursos 24 horas

Leia também...

Polícia Civil prende dois indivíduos após furto a academia em Conchal

Polícia Militar captura procurado em Conchal

Entregador morre após bater em carro e ser lançado para cima de outro veículo em Franca; vídeo

Candidato a vereador é suspeito de matar a mulher no Sul de Minas

Mulher baleada em tentativa de latrocínio é socorrida pela PM em Araras, SP

Suspeito de colocar fogo em companheira grávida diz à polícia que jogou líquido inflamável durante ato sexual

Criador do bordão 'bigodin finin, cabelin na régua', menino Kallebe morre afogado em rio no Norte do RJ

Roger Abdelmassih é atacado por preso em hospital penitenciário na Zona Norte de SP

Adolescente convida grupo de sem-teto para sua festa de 15 anos. Eles comeram, dançaram e se divertiram juntos

Conchal Eleições 2020 no F5 – Veja a lista de candidatos a vereador(a) que se inscreveram para participar das entrevistas

Todas as Publicações

Mostrar mais