Nova mesa diretora da Câmara Municipal de Conchal decide suspender processo licitatório para compra de móveis


Embora a mesa tenha decidido por suspender o processo licitatório da aquisição dos móveis, a ação do pedido de suspensão poderia ter sido requerida por qualquer empresário ou cidadão, considerando que o tramite e publicação da licitação foi feita desrespeitando a lei Federal 8.666/93 que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública.



A obra do enorme e luxuoso "Elefante Branco" que está sendo construído ao lado da rodoviária, onde funcionará a nova sede do poder legislativo municipal, foi alvo de denúncia ao Ministério Público em 2018.

Os principais alvos da denúncia feita na época são os ex-presidentes da Câmara conchalense, Nilton de Praga e Roberson Claudino Pedro (Robinho), atual presidente da nova mesa diretora.

No dia 03/01/2019 o F5 Conchal recebeu via email, o comunicado sobre a suspensão a licitação para compra dos móveis para a nova sede do legislativo. A nota emitida pela Câmara Municipal veio informando o seguinte:

  - COMUNICADO À IMPRENSA –

Em seu primeiro ato após assumir a comando da Câmara Municipal de Conchal, os membros da Mesa Diretora do biênio 2019/2020 reuniram-se e decidiram SUSPENDER a licitação para compra dos móveis para a nova sede do legislativo.

A medida tem por objetivo promover uma revisão nos produtos e nos preços dos moveis que estavam sendo adquiridos.

Pelo processo de licitação que estava em andamento desde o ano passado, cada cadeira da plateia do plenário da Câmara custaria algo em torno de R$ 1.300,00 ( hum mil e trezentos reais).

Na compra dos moveis seriam gastos algo em torno de R$ 250.000,00 ( duzentos e cinquenta mil reais), valor este  que foi considerado muito elevado e, por isso, a nova mesa diretora fará todos os esforços para reduzi-lo.

Os documentos relativos ao processo de licitação mencionado estão na 
Câmara Municipal à disposição de quem se interessar.

Diante de tais informações nós do F5 Conchal seguimos a orientação do comunicado e nos aprofundamos aos fatos. Fomos até a Câmara Municipal na sexta-feira passada (04) e solicitamos o processo para pesquisar. Fomos surpreendidos ao sermos informados que a edital que deveria ser retirada pelas empresas, não estava à disposição do público, porém no mesmo dia, a mesma, foi enviada via email para a nossa redação, pelo diretor da Câmara, Sr Edison.

Analisamos a Edital e percebemos que os documentos não possuíam a assinatura do presidente da época, vereador Cid Sampaio, 

Ao final desta matéria segue cópia da capa e da ultima pagina de um dos editais de licitação. Os demais documentos estão a disposição de qualquer pessoa que queira conhecer o conteúdo completo. Solicite via WhatsApp F5 (19 - 99153 0445) e encaminharemos á você. 

Desconfiados de que a tal licitação não tinha autorização para ser publicada, retornamos á Câmara Municipal nesta segunda-feira (07). Constatamos que de fato não havia assinatura nos documentos, ou melhor, nem mesmo os documentos estão por completo à disposição do público, porém nada comprova se houve permissão ou não para tal publicação de abertura de licitação.

A referida abertura de licitação foi publicada no jornal Estadão, no dia 27/12/2018, quando Cid Sampaio ainda respondia pela presidência da Casa de Leis.

A divulgação também foi feita no Site da Câmara Municipal, porém, somente no dia 02/01/2019 (já foi retirada do site), um dia antes de ser emitida a "Nota de Suspensão" do certame.

Não foi feita nenhuma publicação no Diário Oficial, como determina a lei Federal 8.666/93 que institui normas para licitações e contratos da Administração Pública, motivo esse, mais do que suficiente para o cancelamento da licitação, acaso ela seguisse tramitando.

Na "Nota" emitida pela nova mesa diretora, eles justificam o cancelamento da licitação dizendo que a medida tem por objetivo promover uma revisão nos produtos e nos preços dos móveis que estavam sendo adquirido, razão plausível. 

Não podemos nos esquecer de que essa obra faraônica foi alvo de denuncia ao Ministério Público no ano passado (2018) e segue sendo investigada.






NOTA F5 - Por Gean Mendes

Não há nada que justifique  a forma que gastam, ao tentam gastar o dinheiro público. Comprar cadeiras de 1.300 reais é exagero, porém, não é de hoje que  absurdos sombreiam a construção da nova sede da câmara de vereadores.

Não é de hoje que são contratados, ou pelo menos, haja a intenção de se contratar, produtos e serviços com preços completamente fora da realidade em que se encontra o município de Conchal, que foi abandonado absolutamente destruído e com 32 milhões em dividas para pagar.

Não é de hoje que ouvimos falar de irregularidades que aconteceram, acontecem, ou ainda podem vir a acontecer, envolvendo ações dos agentes públicos municipais. 

Da forma e circunstância que essas informações são levadas à sociedade conchalense, deixa cada vez mais claro, que a preocupação maior dos nossos políticos, continua sendo a de  apontar os erros, se esquecendo dos próprios, deixando cair no esquecimento  da população, sem nada ser feito para apurar e penalizar os que erraram.

O que já foi investido, e ainda a de ser, com a construção desse grande "elefante branco", daria para ter construído uma escola, um novo posto de saúde, ou até mesmo, investido na segurança publica, com a compra de equipamentos mais modernos para a Guarda Municipal.

Tudo acontece, mas  acaba ficando por isso mesmo.

A mesma mesa diretora que hoje pede pela suspensão da tal licitação (com razão), tem como presidente o vereador Roberson Claudino Pedro, o mesmo que foi o primeiro secretário ao lado do ex-presidente, vereador Cid Sampaio, que supostamente teria autorizado a abertura do processo licitatória sabendo dos preços que as cadeiras poderia ser adquiridas, pergunto:

O que fazia o primeiro secretário, que não denunciou isso antes? E os demais vereadores, aonde estavam?

Cid Sampaio teve sentado ao seu lado entre os anos de 2017 e 2018, o mesmo que hoje responde pela presidência da Casa de Leis conchalense, o vereador popularmente conhecido, Robinho. Vereador este, alvo de diversas denuncias de irregularidades cometidas.

Enquanto Cid Sampaio foi presidente, três denúncias chegaram ao conhecimento da casa de leis. 

Uma sobre a construção do grande elefante branco, outra sobre os gastos abusivos com viagens de alguns vereadores e a mais recente, sobre a contratação de funcionário fantasma durante a gestão de Robinho em 2015/2016. 

Apenas a denuncia de gastos dos vereadores foi investigada pela casa de leis, graças ao pedido feito pelo Ministério Público. Nesse caso os vereadores tiveram que devolver dinheiro, mas ninguém foi penalizado. 

A Casa de Leis conchalense possui hoje onze vereadores, pagos e, muito bem pagos para fiscalizar a forma que é aplicado o dinheiro do contribuinte.

MAS COMO ACREDITAR NESSES FISCAIS, SE ELES NÃO SÃO CAPAZES DE FISCALIZAR A ELES MESMOS?...












Comentários

Leia também...

Aposentado e motorista de ônibus escolar foram presos suspeitos de estuprar menina de 12 anos em Aguaí, SP

Conchal - Matrículas para o EJA (Educação Jovens e Adultos) abertas a partir dessa segunda-feira 21/01 a 04/02

Câmara de Conchal realiza primeira sessão do ano em regime extraordinário

'Superlua de Sangue' ficará visível neste domingo

PREFEITURA INICIA LIMPEZA DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA COMEÇANDO PELAS CAIXAS DO CENTRO DA CIDADE.

Conchal - CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL (UNINTER)

Em Tietê (SP) ruas foram pintadas de azul com o objetivo de amenizar o calor e diminuir gastos com a energia elétrica

Prefeito de Conchal acaba de anunciar que todos os postos de saúde passarão a fazer agendamentos diários

Doria proíbe consumo de bebida alcoólica em postos de gasolina

Desde o início do ano mais de 700 pessoas deram entrada no hospital Madre Vannini com virose saiba como se prevenir

Todas as Publicações

Mostrar mais