40% das mulheres dizem que já foram xingadas ou ouviram gritos em ambiente de trabalho contra 13% dos homens, diz pesquisa Pular para o conteúdo principal

40% das mulheres dizem que já foram xingadas ou ouviram gritos em ambiente de trabalho contra 13% dos homens, diz pesquisa



Mulheres sofrem mais assédio moral e sexual no ambiente de trabalho do que os homens, de acordo com pesquisa do Instituto Patrícia Galvão obtida pelo G1: 40% delas dizem que já foram xingadas ou já ouviram gritos no trabalho, contra 13% dos homens que vivenciaram a mesma situação. Dentre os trabalhadores que tiveram seu trabalho excessivamente supervisionado, 40% também são mulheres e 16% são homens.

Com o objetivo de fomentar o debate sobre as situações de violência e assédio no ambiente de trabalho, a pesquisa, feita em parceria com o Instituto Locomotiva com apoio da Laudes Foundation, mapeou as percepções da população sobre a temática e as experiências de assédio e constrangimento vividas pelas mulheres no ambiente de trabalho.



A pesquisa também revelou que na percepção de 92% dos entrevistados, mulheres sofrem mais situações de constrangimento e assédio no ambiente de trabalho do que os homens.

Para Adriane Reis, coordenadora nacional de Promoção da Igualdade e Eliminação da Discriminação no Trabalho – Coordigualdade, do Ministério Público do Trabalho de São Paulo (MPT-SP), apesar de ambos os sexos sofrerem assédio em empresas, a mulher ainda fica em uma situação pior porque o ambiente de trabalho reproduz valores de uma sociedade machista.



“Vivemos em uma sociedade machista, o que significa que há uma compreensão dentro do nosso imaginário social de que os homens estão em posição de superioridade em relação às mulheres, então eles têm acesso a cargos de maior poder e remuneração, enquanto as mulheres ficam em cargos de apoio e são vistas como pessoas que estão a serviço dos homens, muitas vezes como objetos até sexuais. Por acontecer isso dentro da nossa sociedade, há a repetição dessa prática dentro das empresas. Muitas vezes a gestão é tão autoritária e abusiva que você observa práticas de assédio moral em todo o conjunto de trabalhadores, mas ainda assim a mulher fica em situação pior porque há no imaginário social essa naturalização de a mulher fazer um trabalho inferior”, afirma.



Trabalhadoras e trabalhadores ouvidos pela pesquisa, sem serem identificados, contam sobre quando foram xingados nos empregos.

“Já levei gritos quando era mais jovem por superior, mas na época achei que era o certo para que eu aprendesse mais sobre o trabalho a ser realizado e hoje sei que não é o certo esta maneira de tratar o funcionário, por mais inexperiente que seja”, afirma entrevistada.



“Fui xingada várias vezes com predicativos de burra, débil mental, pouco profissional, amadora, estagiária de 15 anos que não sabe nada, mas como tinha que pagar aluguel não disse nem ‘a’ e nem ‘b’, porque com a minha idade, gordinha e mulher, não tenho muitas oportunidades de emprego”, afirma entrevistada.

A pesquisa foi feita online com homens e mulheres de todo o Brasil, com 18 ou mais anos de idade. Foram 1.500 entrevistas realizadas de 7 a 20 de outubro de 2020. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais para mais ou para menos.



O que é assédio?

Nem sempre as situações de constrangimentos e violência sofridas no ambiente de trabalho são reconhecidas claramente como assédio, seja moral ou sexual. Mas quando mostrado a trabalhadores exemplos de situações concretas, 76% das mulheres relatam já terem sofrido assédio, contra 68% dos homens.

De acordo com a pesquisa muitas vezes, o constrangimento é narrado como “bobagens” ou “brincadeirinhas”, e há um discurso que busca sua naturalização. A promotora Adriane Reis define os tipos de assédio.



“Tanto o assédio moral quanto o sexual são tipos de violências. O assédio moral se caracteriza por ser um conjunto de atos que pode atuar de forma sistemática ou um ato de extrema gravidade que gera um constrangimento ou uma humilhação a ponto de ferir direitos fundamentais da vítima. Ele é considerado uma violência psicológica, sem conotação sexual. Já o assédio sexual diz respeito a uma violência que tem por base um aspecto sexual.”
De acordo com Adriana, tanto o assédio moral quanto o sexual são um tipo de exercício de poder.

“O agressor tem por objetivo impor e sobrepor sua vontade à da vítima. O assédio moral ofende a dignidade humana. E o assédio sexual, além de ofender a dignidade humana, ofende a dignidade sexual da pessoa.”



A classe e a escolaridade das mulheres entrevistadas marcam diferenças significativas na forma de expressar a experiência do assédio. É o que revelou a etapa qualitativa da pesquisa, realizada de 28 de julho a 11 de agosto de 2020 com especialistas das áreas de direito trabalhistas, sindicatos, áreas de recursos humanos de empresas, ONU Mulheres e terceiro setor.

As mulheres entrevistadas tinham de 18 a 55 anos, pertenciam às classes A/ B e C/D, em condições de trabalho variadas entre autônomas, informais e formalizadas.



Enquanto mulheres das classes A e B conseguiam conceituar o assédio de maneira mais abstrata e ampla, mulheres das classes C e D precisavam recorrer a exemplos concretos para expressar o que entendem como assédio ou violência.

Maíra Saruê Machado, diretora de pesquisa do Instituto Locomotiva, disse em nota que os resultados indicam que as mulheres vivenciam uma série de situações de assédio e constrangimento no ambiente de trabalho que acabam sendo naturalizadas.



“Essas situações são tratadas como situações cotidianas, de pouca importância. É preciso falar sobre assédio no trabalho de forma ampla, inclusive nas empresas, coibindo essas situações e dando a devida relevância institucional ao tema, hoje tratado no âmbito individual, trazendo ainda mais sofrimento para as mulheres vítimas”.

Assédio sexual

O assédio sexual é mais frequente também entre mulheres: 39% das mulheres receberam de pessoas do sexo oposto convites para sair ou insinuações constrangedoras, contra 9% dos homens que receberam convites na mesma situação. Entre as mulheres, 12% delas já foram alvos de agressões sexuais, como estupro, contra 1% dos homens.



Há dois tipos de assédio sexual:

O assédio sexual por vantagem, em que o agressor oferece uma vantagem ou ameaça, oferecendo um prejuízo caso a vítima não consinta com a prática de determinados atos sexuais;

E o assédio sexual ambiental, que acontece de forma coletiva no ambiente de trabalho pela utilização de expressões sexuais, falas, piadas, imagens que também têm objetivo de constranger e humilhar o conjunto de trabalhadores.



“Um dia, estava no meu trabalho, um colega pegou na minha bunda e me chamou para sair. Eu fiquei muito nervosa porque ele era meu chefe”, afirma entrevistada.

Violência de gênero

“Trabalhava numa equipe com homens e observava que minha gestão priorizava e acreditava que os homens eram mais inteligentes e tinha dificuldades em reconhecer meu trabalho, que era reconhecido pelos colegas”, afirma entrevistada.



De acordo com a pesquisa, as situações de assédio são muitas vezes naturalizadas pelas mulheres, que nem sempre se percebem como vítimas de uma violência de gênero.

Entre trabalhadores, 36% das mulheres dizem já ter sofrido preconceito ou abuso no trabalho por serem mulheres, contra 15% dos homens na mesma situação.



Para Adriane, a origem de um ambiente de trabalho com mais assédio para mulheres é histórica e social.

“A gente tem uma sociedade patriarcal, em que se fundou dentro da nossa história as famílias patriarcais com a hierarquia entre homens e mulheres. As mulheres ficavam imbuídas de tarefas domésticas, ocultas e invisíveis e os homens ficavam com as tarefas públicas de melhor valorização. Essa divisão social do trabalho é repetida no ambiente das empresas. É por isso que nas reuniões as mulheres são mais interrompidas e acontecem coisas como apropriação de ideias delas por parte de homens, desqualificação das mulheres, convites inadequados de que, por exemplo, a mulher tem de servir cafezinho para todo mundo em uma reunião. A gente vê que é um fenômeno que tem um caráter social muito forte”, afirma.



Dentre os que sofreram constrangimento, preconceito ou discriminação, 27% são mulheres e 11% são homens. 22% das mulheres sofreram violência, abuso ou assédio (moral ou sexual), contra 12% dos homens.

“Única vez que fui constrangida foi quando relatei para a pessoa responsável de uma empresa que trabalhei sobre minha gestação. Simplesmente falaram que a empresa não tinha nada com isso. E fui demitida. No momento me senti um lixo, um nada”, afirma entrevistada.



Impunidade

As mulheres que vivenciaram situações de assédio relatam tristeza, ofensa, humilhação e raiva como sentimentos mais comuns. Apenas 16% delas disseram não ter se importado com a situação de assédio.

“Se passei por alguma situação contornei eu mesmo de forma tranquila, sem muito alarde, para não prejudicar eu e o autor”, afirma entrevistada.



A sensação de que denunciar o assédio sofrido não surtirá nenhum efeito ou o medo da demissão como consequência da denúncia acabam silenciando essas mulheres, de acordo com a pesquisa. Na maior parte dos casos, mesmo quando o caso foi denunciado, a vítima não soube o que houve com o agressor ou nada aconteceu.

Em apenas 28% dos casos, a vítima soube que agressor sofreu alguma consequência após denunciar o assédio;



11% não formalizaram a denúncia por terem sido assediadas pelo superior;

10% não formalizaram por terem visto o mesmo ocorrer outras vezes, sem solução;



Em apenas 34% dos casos denunciados, a empresa ouviu o relato e puniu o agressor;

Um quarto das mulheres que foram assediadas passaram a desconfiar das pessoas com quem trabalham e/ou não tiveram mais vontade de ir trabalhar;



21% saíram da empresa

Os grupos de entrevistadas da etapa qualitativa da pesquisa apontaram que as dificuldades de reação a respeito da situação não partem de um desconhecimento em relação ao que seria o assédio, nem de um desconhecimento de seus direitos, mas de uma desconfiança de que as instituições de proteção não funcionam.



Durante as entrevistas para a pesquisa, foram relatados dois casos de denúncia formal do assédio sexual sofrido. Porém, as vítimas não receberam acolhimento, nem tiveram qualquer encaminhamento do caso. Essa situação reforçou a percepção de desamparo compartilhada pela maioria.

O medo do desemprego também foi citado nas entrevistas da pesquisa. Nos grupos, o temor de perder o emprego em caso de denúncia foi mais explícito entre as trabalhadoras em regime de Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) das classes AB.



A percepção mais comum, mesmo entre as trabalhadoras informais, é de que quem tem emprego certo tem mais medo de reagir do que quem não tem. De acordo com a pesquisa, para a autônoma é ruim perder o cliente, mas isso não significa necessariamente a perda da possibilidade de trabalhar e ter uma renda.

Por outro lado, algumas participantes das classes AB, com inserção em empresas de maior porte, reconhecem que algumas empresas vêm dando atenção a essas situações e adotando algumas iniciativas para coibir o assédio e facilitar a denúncia – como os serviços de disque-denúncia anônimo.



“É essencial no ambiente de trabalho ter uma medida de escuta, apoio e compreensão para as vítimas. O que não se pode pensar é que a pessoa que está denunciando vá sofrer represálias dentro da instituição. Quando acontece isso, a empresa passa o recado de que é normal o assédio lá dentro. 

As empresas têm de levar a sério as denúncias, têm de compreender que a violência e o assédio são muito disseminados e elas precisam ter uma atitude contrária, proativa. Mas o que acontece na prática é que as empresas só tomam atitude quando são questionadas”, afirma Adriana.

*Com informações de G1.










Horários (ponto a ponto) do ônibus circular e telefones úteis Conchal

Horários (ponto a ponto) do ônibus circular e telefones úteis Conchal
CLIQUE NA FOTO PARA ACESSAR TABELA DE HORÁRIOS

Leia também

Acidente na SP 191 entre carreta e ônibus transportando trabalhadores acontece nesta manhã (17), em Conchal – No mesmo local outro acidente fez vítima fatal na noite de ontem (16)

Por: Gean Mendes e Beto Ribeiro Um acidente envolvendo uma carreta carregada com sorgo e um ônibus que transportava trabalhadores aconteceu na manhã de sexta-feira (17), por volta das 6h40min, na SP 191, estrada que interliga os municípios de Conchal à Araras. A carreta que veio do estado de Goiás iria descarregar em uma empresa no município de Conchal. Os trabalhadores que ocupavam o ônibus, são de uma empresa situada no município de Araras.    Segundo informações dos passageiros do ônibus, ambos os veículos transitavam no mesmo sentido, Araras para Conchal, quando o motorista da carreta acabou se perdendo. O ônibus que estava logo atrás, colidiu na traseira da carreta. A carreta atravessou a pista e só parou na entrada da estrada vicinal, próximo a empresa Jocar. O ônibus saiu da pista, bateu em uma placa e parou próximo a um barranco. O ônibus transportava pelo menos vinte e seis trabalhadores. As primeiras informações que foram fornecidas pelos trabalhadores que e

Quadra “H” - Policia Civil investiga aparecimento de três nascituros e desaparecimento de um cadáver no cemitério municipal de Conchal

A Policia Civil investiga o aparecimento de três nascituro que estão sepultados em covas separadas, na mesma rua, da quadra “H”, no cemitério municipal de Conchal, cidade do interior de São Paulo. O caso veio à tona em 2020, quando uma família precisou sepultar um parente no mesmo túmulo, onde nos anos 80 teria sido sepultado um outro ente da família. Quando a sepultura foi aberta, os familiares perceberam que a ossada do falecido não estava no local, porém outro cadáver, um nascituro, ocupava o espaço. Segundo consta, na tentativa de localizar o cadáver desaparecido, servidores municipais responsáveis pelo setor, resolveram verificar se em túmulos ao lado, poderia estar o cadáver desaparecido. Essa atitude se fez necessária pois os responsáveis acreditavam que as plaquinhas que identificam os túmulos no cemitério poderiam ter sido subtraídas ou até mesmo trocadas, considerando as inúmeras vezes que o local já foi atacado por vândalos e ladrões de sepultura. Os servidor

Tarado em Conchal aborda mulheres e mostra o pênis nesta segunda-feira (13), na região central do município

Imagem Ilustrativa (Internet)  Nesta segunda-feira (13), pelo menos três mulheres foram vítimas de um indivíduo ainda não identificado, na região central do município de Conchal (SP). O F5 recebeu as informações que formam fornecidas por duas vítimas, porém outras mulheres estão utilizando as redes sociais para emitir o alerta. Em uma publicação feita pela mãe de uma das vítimas, a mesma relata o ocorrido nesta manhã, próximo a casa lotérica localizado à rua São Paulo, centro. “Boa tarde. Pessoal minha filha foi seguida por um homem de bicicleta pedindo informações e logo em seguida o mesmo entrou na frente dela dando a entender que estava armado, e passou a mostrar seu órgão genital. Ele está de bicicleta amarela, cano reto, de calça escura, camiseta polo verde água, ou azul clara (ela não lembra direito), moreno, magro, mais ou menos 1,70 de altura, o mesmo foi sentido ao lago. A Guarda já foi comunicada, tomem cuidado” , escreveu no perfil, no Facebook. Outra vítim

Homem denuncia vizinhas por estarem na piscina sem a parte de cima do biquíni – Polícia invadiu a residência e caso foi parar na corregedoria

  Por Igor Jácome, G1 RN Mulheres denunciaram à Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Norte a ação de policiais civis que teriam entrado em uma casa, sem mandado judicial e autorização dos donos, após um vizinho acioná-los dizendo que havia pessoas tomando banho de sol nuas no local. O caso aconteceu no dia 7 de setembro, após um vizinho, que também teria invadido o local, chamar a Polícia Civil e denunciar as três mulheres que tomavam sol na piscina sem a parte de cima do biquíni - prática conhecida como topless. O fato gerou repercussão nas redes sociais, após o relato publicado pela produtora audiovisual Marana Torrezani, de 35 anos, que estava no imóvel. Ela registrou o caso na Ouvidoria da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), que abriu uma investigação. De acordo com o ouvidor-geral, Dimitri Sinedino, foram determinadas diligências para identificação dos agentes públicos envolvidos e para saber como ocorreu a suposta invasão. Em seguida, o

Após assistir palestra do “Setembro Amarelo” em escola de Araras (SP), menina de 14 anos revela ter sido estuprada diversas vezes pelo pai

Imagem Ilustrativa  Uma adolescente de 14 anos de idade, revelou já ter sido estuprada por várias vezes, pelo próprio pai. O caso aconteceu nesta segunda-feira (13), no município de Araras, interior  de São Paulo. Após assistir uma palestra sobre “Setembro Amarelo”, promovida pela escola estadual Professora Maria Rosa Nucci, no bairro Parque das Árvores, a adolescente ganhou coragem e resolveu fazer a denúncia.   A menina procurou a diretora da escola e contou tudo o que estava sofrendo. Disse que por várias vezes foi abusada sexualmente pelo pai, tendo inclusive, acontecido penetração durante os abusos. De imediato a diretora da escola acionou a Policia Militar que foi até o local para atender ao chamado. O pai e a mãe da adolescente também foram acionados pela diretora. Os policiais Cabo Murilo e Cabo Kirk, conduziram as partes para à delegacia de polícia. Na delegacia foi registrado um boletim de ocorrência de estupro e, o pai foi liberado,  pois segundo cons

Tudo o que você precisa, em um só lugar

Tudo o que você precisa, em um só lugar
Acesse Amazon

Quer receber notícias gratuitamente via WhatsApp?

Quer receber notícias gratuitamente via WhatsApp?
Clique na imagem e nos envie o seu nome e idade

VEJA TAMBÉM

Acidente na SP 191 entre carreta e ônibus transportando trabalhadores acontece nesta manhã (17), em Conchal – No mesmo local outro acidente fez vítima fatal na noite de ontem (16)

Por: Gean Mendes e Beto Ribeiro Um acidente envolvendo uma carreta carregada com sorgo e um ônibus que transportava trabalhadores aconteceu na manhã de sexta-feira (17), por volta das 6h40min, na SP 191, estrada que interliga os municípios de Conchal à Araras. A carreta que veio do estado de Goiás iria descarregar em uma empresa no município de Conchal. Os trabalhadores que ocupavam o ônibus, são de uma empresa situada no município de Araras.    Segundo informações dos passageiros do ônibus, ambos os veículos transitavam no mesmo sentido, Araras para Conchal, quando o motorista da carreta acabou se perdendo. O ônibus que estava logo atrás, colidiu na traseira da carreta. A carreta atravessou a pista e só parou na entrada da estrada vicinal, próximo a empresa Jocar. O ônibus saiu da pista, bateu em uma placa e parou próximo a um barranco. O ônibus transportava pelo menos vinte e seis trabalhadores. As primeiras informações que foram fornecidas pelos trabalhadores que e

Oportunidade de emprego – Umaflex de Conchal está contratando; Veja vagas

  A empresa Umaflex em Conchal abriu vagas para contração de: ·        Setor Administrativo   ·        Engenheiro produção ·        Motorista ·        Auxiliar de produção ·        Carregamento, Os interessados devem enviar o currículo para o email: Curriculos@umaflex.com.br

Quadra “H” - Policia Civil investiga aparecimento de três nascituros e desaparecimento de um cadáver no cemitério municipal de Conchal

A Policia Civil investiga o aparecimento de três nascituro que estão sepultados em covas separadas, na mesma rua, da quadra “H”, no cemitério municipal de Conchal, cidade do interior de São Paulo. O caso veio à tona em 2020, quando uma família precisou sepultar um parente no mesmo túmulo, onde nos anos 80 teria sido sepultado um outro ente da família. Quando a sepultura foi aberta, os familiares perceberam que a ossada do falecido não estava no local, porém outro cadáver, um nascituro, ocupava o espaço. Segundo consta, na tentativa de localizar o cadáver desaparecido, servidores municipais responsáveis pelo setor, resolveram verificar se em túmulos ao lado, poderia estar o cadáver desaparecido. Essa atitude se fez necessária pois os responsáveis acreditavam que as plaquinhas que identificam os túmulos no cemitério poderiam ter sido subtraídas ou até mesmo trocadas, considerando as inúmeras vezes que o local já foi atacado por vândalos e ladrões de sepultura. Os servidor

Quadrilha armada faz reféns em Conchal e rouba pertenceres de alto valor na residência das vítimas – Antes da invasão os criminosos provocaram queda de energia no bairro

Pelo menos cinco criminosos invadiram uma residência localizada na area central, em Conchal (SP). O crime aconteceu por volta das 22hs de sexta-feira (27). Uma das vítimas, uma mulher , chegou a escutar algum barulho vindo do quintal, foi quando telefonou para pedir ajuda à segunda pessoa, um homem . Pouco tempo depois faltou a energia elétrica no local. Após ouvir que alguém estava mexendo na fechadura da porta, a vítima correu e se trancou no quarto. Nesse momento, os criminosos já teriam pulado o muro que dá acesso ao quintal do imóvel e invadido a casa.  Quando a segunda vítima, o homem, chegou ao local, também foi rendido pelos bandidos. Sob ameaça de morte, as vítimas foram abrigadas a ficarem trancadas e um dos cômodos da casa. O bandido que vigiava as vítimas também estava armado. Os criminosos roubaram 3 aparelhos de telefone celular, joias, relógios, valores em dinheiro, além de documentos pessoais e cartões de banco. A polícia investiga o caso.

Postagens mais visitadas deste blog

Jovem comete suicídio em Conchal neste domingo (29), um dia após comemorar aniversário

O jovem de aproximadamente 21 anos, morador da cidade de São Paulo, segundo registrado, foi encontrado por uma cidadã conchalense, em uma construção, por volta das 19:10hs, deste domingo (29).   Segundo informações obtidas no local dos fatos pela nossa reportagem e, confirmadas em registro de boletim de ocorrência. Uma cidadã conchalense (Aline), esteve nesta construção, localizada à rua Benedito Novo, no bairro Novo Horizonte, em Conchal, para conhecer o local, onde segundo informações pretendia alugar ou comprar antes mesmo do término da obra.   Chegando ao imóvel em construção, ao entrar em um dos cômodos, a testemunha se deparou com um corpo suspenso, pendurado, enforcado, com uma mangueira em torno do pescoço.   A testemunha acionou a Policia Militar que passava pelo local naquele momento. O SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), a Polícia Cientifica, representada pela perita Mariana, fotógrafo Marco e, a Policia Civil, representada pelo GCM Ivam, que auxilia

Linha com cerol provoca acidente fatal na tarde desta sexta-feira (28) em Conchal

Por volta das 15h40min, desta sexta-feira (28), um homem de 42 anos de idade, morador de Conchal, foi atingido fatalmente por uma linha com cerol, quando passava com sua moto pela Rua dos Battel, próximo a escola Bela Vista, no bairro Esperança 3, em Conchal, SP. Moto da vitima  Segundo testemunhas a vítima ainda conseguiu andar alguns metros, até a esquina com a rua dos Maiochi, lugar onde acabou perdendo os sentidos. O SAMU foi acionado, porém quando chegou ao local foi constatada morte eminente, devido extensa laceração na região do pescoço. A ocorrência ainda está em andamento. A Polícia Militar está no local. O responsável pela linha com cerol que tirou a vida do trabalhador, ainda não foi identificado. Vale lembrar, que a venda e/ou utilização de linha com cerol ou linha chilena, com também é chamada, é crime.     

Polícia Militar liberta homem que seria julgado por ‘tribunal do crime’ e prende 11 pessoas em Conchal

Por: Beto Ribeiro Repórter   Na noite de domingo (20), os policiais militares cabo Barros e soldado Consoni, estavam em patrulhamento de Força Tática pelo município de Araras (SP), quando receberam informações via COPOM, que pela cidade de Conchal (SP), estava ocorrendo um suposto "tribunal do crime", em andamento em um bar, pelo bairro Jardim Esperança III. De imediato, foi realizada uma diligência até o local, com o apoio de outras viaturas.   A informação dava conta de que um rapaz havia sido sequestrado e que estava sendo agredido, e provavelmente seria morto, ainda conforme as informações os envolvidos aumentaram o som do estabelecimento, para que os gritos não fossem ouvidos. O local indicado é o conhecido Bar HM, de propriedade de um indivíduo já conhecido nos meios policiais e o estabelecimento é afamado ponto de tráfico.   Defronte ao bar, havia um porco no rolete sendo feito, sendo que ali estavam três indivíduos, os quais, ao perceberem a chegada das vi

Resposta rápida – Após investigação Policiais Civis de Conchal prendem segundo suspeito de participação no homicídio de Elisângela, 46 anos - Suspeito teria praticado sexo com a vítima após homicídio. Assista entrevista.

Nesta terça-feira Conchal amanheceu com a triste notícia de homicídio que teve como vítima a costureira de 46 anos de idade, Elisângela Montaute. O crime aconteceu na noite de ontem, segunda-feira (16), tendo a ocorrência atendida pela Polícia Municipal, que conseguiu prender o suspeito ainda no local. Conforme a primeira informação noticiada pelo F5 Conchal, um homem de 22 anos de idade foi preso pela GCM, suspeito de matar Elisângela. Na residência estava Elizangela junto com o suspeito de 22 anos. O homem preso alegou que a mulher foi agredida por um indivíduo desconhecido, que a atingiu com um pedaço de madeira na cabeça, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública. Elisângela Montaute foi morta a facadas em Conchal — Foto: Reprodução/Facebook Disse ainda que, o mesmo suspeito que teria invadido a casa, também o teria agredido, ordenando que ele matasse a mulher com golpes de faca. Entretanto, ao ser questionado novamente, ele mudou a versão e confesso

Homem de 23 anos é assassinado nesta quarta-feira (23) com 3 tiros e 6 facadas em Conchal

O crime aconteceu por volta das 20h25min desta quarta-feira (23), à rua Cândida  Battel, no bairro Jardim Peres, em Conchal.   A Guarda Municipal atendeu a ocorrência com o apoio da Policia Militar.   Segundo informações fornecidas por moradores próximo ao local, a vítima Michael Willian Mendes da Silva, 23 anos, foi abordado por pelo menos dois indivíduos encapuzados.   Michael tentou fugir, mas foi golpeado com pelo menos 6 facadas e três tiros, segundo constatado pela Policia Cientifica que esteve no local dos fatos. A polícia investiga o caso.              

Dois acidentes, 1 com vítima fatal aconteceram noite passada em Conchal

O primeiro acidente aconteceu no trevo da rodovia próximo ao cemitério de Conchal. Segundo informações de populares, o motorista do veículo que aparece na imagem acima, perdeu o controle da direção vindo a capotar.   A policia rodoviária foi acionada e o motorista foi socorrido. O segundo acidente aconteceu na rodovia Martinho Prado/Conchal. Segundo informações fornecidas pelo comandante da Guarda Municipal de Conchal, o acidente teria acontecido após um veículo, possivelmente um Ônix, ter colidido com um veículo Parati. Publicações nas redes sociais indicam que o motorista da Parati, um homem, veio a falecer.   O F5 Conchal está apurando mais informações, de ambos os acidentes, junto a policia rodoviária. Em breve mais informações.

Conchal/SP - Sem sintomas, jovem de 22 anos descobre que está grávida após 37 semanas de gestação – O fenômeno é chamado pelos médicos, de “gravidez silenciosa”

O caso aconteceu em Conchal e foi descoberto no dia 10 deste mês pela jovem, que após sentir fortes dores resolveu procurar o médico. A conchalense Jeniffer Adrielli , 22 anos, estudante de enfermagem, deu à luz a uma linda menina de 49 centímetros, pesando 2.400Kg, após 37 semanas e 5 dias de gestação, sem sentir absolutamente nenhum sintoma.   Jeniffer nos contou que fazia uso de anticoncepcional.   WhatsApp:  (19) 99864 2355 - 📞 (19) 3866 2524 A jovem dizia estar sentindo cólica de rim, e por isso, foi ao hospital Madre Vannini, em Conchal, no dia 10 de fevereiro.   O profissional que a atendeu solicitou um exame de urina, após algum tempo o exame constatou uma forte infecção. Um exame para identificar gravidez foi realizado e foi neste momento que a jovem foi surpreendida, Jeniffer mal sabia que a surpresa maior ainda estava por vir. O F5 entrevistou Jeniffer e sua mãe. A entrevista completa será exibida em vídeo, no próximo dia 26, sexta-feira. Você não pode perder!!  

Corpo é encontrado em cova rasa em Conchal

Pessoas próximas ao local dos fatos escutaram barulhos de tiros e acionaram a Guarda Municipal de Conchal, por volta das 17:45hs, do primeiro dia de 2021, no bairro Arurá, em Conchal   Pouco tempo após serem acionados a GCM chegou no lugar indicado pelos denunciantes. Em breve busca, os GCM’s encontraram pelo menos seis capsulas de calibre 38 deflagradas e muito sangue. Os GCM’s continuaram averiguando o local e encontraram rastros pela mata. Seguindo o rastro foi encontrado uma cova rasa, onde o corpo de um homem estava enterrado. Informou ao F5 o comandante da GCM, Benedito Aparecido Abreu.   O delegado de Polícia Civil Dr José Francisco, compareceu ao local acionando a Policia Cientifica.   A vítima foi previamente identificada como sendo, Eduardo Lacerda. A polícia investiga o crime.

Entradas de Conchal serão fechadas temporariamente pela prefeitura – O município ficará apenas com a entrada da Avenida João Paulo II (cemitério) aberta e com barreira sanitária

Foto: Gean Mendes (F5) - Barreira Sanitária 21/05/2020, Conchal A prefeitura de Conchal fechará temporariamente todas as principais entradas da cidade, deixando aberta apenas a entrada da Avenida João Paulo II (cemitério), que contará com barreira sanitária.   A medida se faz necessária por conta do feriado prologado onde o fluxo de pessoas que viajam para o interior aumenta consideravelmente, principalmente após a suspensão da operação descida do Sistema Anchieta-Imigrantes decretada pelo Governo do Estados, após a prefeitura da capital antecipar cinco feriados municipais. A previsão é que a partir desta quarta-feira (24), os trabalhos de colocação de barreiras nas entradas da cidade iniciem.   Até a próxima sexta-feira (26), todos os acessos estarão fechados, exceto o da avenida João Paulo II. Diversas cidades da região estão adotando medidas semelhantes ou ainda mais restritivas, com o objetivo de desestimular as viagens ao interior. Em Conchal já há paciente em situação gra

Caminhoneiro de Conchal vitima fatal em Rio Claro ligou para pedir ajuda após explosão

Foto reprodução EPTV   O motorista que morreu após a explosão de um caminhão em um posto de combustíveis em Rio Claro (SP) conseguiu ligar após o acidente para avisar que havia perdido uma perna e que precisava de ajuda. As informações são do G1 São Carlos/Araraquara O caminhoneiro Jovino Rocha de Andrade teve a morte confirmada pela Santa Cansa às 4h10 desta quinta-feira (1º). Ele tinha 51 anos e era um dos socorridos em estado grave no acidente que deixou 15 feridos. Até o início da manhã desta quinta, cinco pessoas haviam sido socorridas para a Santa Casa e dez haviam sido levadas para a Unidade Básica de Saúde (UBS) de Ipeúna. Seis delas já haviam recebido alta e quatro seguiam internadas. Ajuda Andrade, que morava em Conchal (SP) e mantinha uma transportadora com quatro caminhões, preparava-se para uma viagem ao Rio de Janeiro e, no momento do acidente, abastecia dois caminhões no posto. Ele estava acompanhado da esposa grávida, que aguardava em uma caminhonete, e de outro m